Bolsas asiáticas desabam; Japão fica abaixo dos 8 mil pontos

Índice Nikkei de Tóquio caiu 6,89%, aos 7.703,04; em Seul, o indicador Kospi perdeu 6,70%

Agências internacionais,

20 de novembro de 2008 | 05h00

As Bolsas asiáticas fecharam as negociações desta quinta-feira, 20, com fortes quedas, arrastadas pela queda de Wall Street e pela crescente incerteza na economia global. O mercado japonês fechou abaixo dos 8 mil pontos, depois de três semanas. FMI aprova empréstimo de US$ 2,1 bi à Islândia Senado adia votação de resgate para montadoras nos EUA De olho nos sintomas da crise econômica  Lições de 29Como o mundo reage à crise  Dicionário da crise  O índice Nikkei da Bolsa de Tóquio fechou em baixa de 570,18 pontos (6,89%), aos 7.703,04. O índice Topix, que reúne todos os valores da primeira seção, caiu 45,15 pontos (5,45%), para 782,28.  O Banco do Japão (BOJ) começou nesta quinta-feira uma reunião de dois dias em que os analistas locais não esperam uma alteração nas taxas de juros, atualmente em 0,30%. No dia 31 de novembro, a entidade emissora japonesa reduziu pela primeira vez os juros em sete anos, de 0,50% a 0,30%, pressionada pela crise econômica global. O governo anunciou nesta quinta que o país inverteu em outubro a tendência de sua balança comercial ao registrar um déficit de 63,9 bilhões de ienes (US$ 667 milhões), empurrado pela primeira queda de suas exportações à Ásia em seis anos. Em outubro, o Japão registrou um déficit comercial em vez do habitual superávit, devido principalmente a uma queda geral das exportações, até agora o principal motor da economia japonesa, pela valorização do iene e a crise econômica global. Em Seul, o indicador Kospi caiu 68,13 pontos (6,70%), aos 948,69. O índice de valores tecnológicos Kosdaq caiu 24,35 pontos (8,19%), para 273,06. As bolsas de valores dos Estados Unidos despencaram para o menor nível em cinco anos e meio na quarta-feira, enquanto investidores se preparavam para uma longa desaceleração econômica e executivos do setor automobilístico previam uma grande calamidade se não houver ajuda do governo. O índice Dow Jones teve forte queda de 5,07%, a 7.997 pontos. O Standard & Poor’s 500 despencou 6,12%, a 806 pontos. O Nasdaq tombou 6,53%, a 1.386 pontos. Essa foi a primeira vez que o índice Dow Jones fechou abaixo dos 8 mil pontos desde 31 de março de 2003, quando fechou com 7.992 pontos. O S&P 500 e o Nasdaq ultrapassaram as mínimas da última semana, que marcavam os níveis mais baixos em mais de cinco anos. A Europa elabora um plano que vai usar 1% de seu Produto Interno Bruto (PIB) para combater a recessão. Na quarta-feira, o governo alemão revelou que o plano da União Européia prevê 130 bilhões para um pacote de incentivos a diferentes setores. Alemanha, Itália e Reino Unido terão planos próprios, com recursos bilionários.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.