Bolsas asiáticas fecham em alta apesar de indicadores negativos

Enfraquecimento da economia dos EUA e alta da inflação na China não derrubam os mercados do bloco

Priscila Arone e Ricardo Criez, da Agência Estado,

11 de março de 2008 | 08h00

Os principais mercados da Ásia fecharam em alta nesta terça-feira, 11, recuperando-se das perdas do dia anterior. A maioria deles iniciou o pregão em baixa, influenciados pelo desempenho das bolsas dos EUA e pela inflação de fevereiro na China, que teve a maior alta em doze anos. Investidores em busca de pechinchas, porém, ajudaram as bolsas da China a recuperar as perdas do início do pregão. Em Tóquio, a recuperação foi impulsionada por investidores que decidiram comprar papéis que sofreram fortes quedas recentemente, como os de siderúrgicas e de empresas do setor imobiliário.  Veja também:  Tóquio fecha em alta de 1% com siderúrgicas e setor imobiliárioCrise externa faz Bovespa cair 3%, e dólar passa de R$ 1,70Barril de petróleo sobe e bate novo recordeESPECIAL: Preço do petróleo em altaEvolução do preço do dólar Entenda a crise nos Estados Unidos   A procura por bons papéis nas bolsas da China ofuscou as preocupações sobre o enfraquecimento da economia dos EUA e a possível adoção de uma política de aperto monetário por conta do banco central local. O índice Xangai Composto subiu 0,5% e fechou aos 4.165,88 pontos. Já o Shenzhen Composto ganhou 0,4% e encerrou aos 1.324,38 pontos.  O principal índice da Bolsa de Tóquio registrou recuperação. O Nikkei 225 subiu 126,15 pontos, ou 1%, e fechou aos 12.658,28 pontos. Para alguns participantes do mercado, a recuperação do índice nesta terça-feira, 11, é um sinal de que o Nikkei irá permanecer acima da mínima do dia (12.352 pontos) pelo restante da semana. "O atual nível mostra que as ações japonesas estão subvalorizadas", disse Toshio Sumitani, estrategista sênior do Tokai Tokyo Research Center. Em Taiwan, a Bolsa de Taipé encerrou o dia em alta. O índice Taiwan Weighted subiu 1% e terminou aos 8.381,60 pontos. Segundo participantes do mercado, as compras ocorreram em antecipação às eleições presidenciais do dia 22. O opositor Kuomintang, defensor de relações mais próximas com a China continental, é o favorito.  O índice Kospi da Bolsa de Seul, na Coréia do Sul, teve alta de 1% e fechou aos 1.641,48 pontos. A contínua queda da moeda local (won) em relação ao dólar americano e ao iene japonês sustentou as expectativas de melhor rentabilidade para as empresas locais exportadoras, em particular as fabricantes de veículos. Hyundai Motor subiu 5,8%, enquanto Kia Motors escalou 5,7%.  O mercado filipino fechou estável, com a procura por ações que tiveram forte desvalorização na segunda-feira, 10. O índice PSE Composto da Bolsa de Manila subiu apenas 0,12 ponto e fechou aos 2.909 pontos. A Bolsa australiana foi na contramão e fechou em queda, embora a procura por bons negócios no setor financeiro tenha limitado as perdas. O índice S&P/ASX 200 da Bolsa de Sydney caiu 0,9% e fechou aos 5.134,2 pontos. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
Bolsas Ásiaalta

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.