Ações

Empresas de Eike disparam na bolsa após fim de recuperação judicial da OSX

Bolsas asiáticas fecham sem direção única

Mau desempenho das ações de empresas dos setores financeiro e imobiliário pesaram sobre os índices em Hong Kong e na China

Antonio Cazzali, Roberto Carlos dos Santos e Clarissa Mangueira,

28 de dezembro de 2010 | 09h54

Os mercados acionários asiáticos encerraram em direções divergentes nesta terça-feira, 28, com os setores financeiro e imobiliário pesando sobre os índices em Hong Kong e na China. A Bolsa da Austrália não abriu devido a um feriado.

A Bolsa de Hong Kong fechou em baixa, conduzida pelas ações de empresas de desenvolvimento de imóveis, depois que a decisão da China de aumentar a taxa de juros no último sábado provocou a queda dos principais mercados da região e aumentou as expectativas de que novas medidas de aperto poderão ser adotadas por Pequim para conter a inflação no país. O índice Hang Seng caiu 0,93% e terminou aos 22.621,73 pontos. China Overseas Land declinou 2,3% e China Resources Land recuou 1,6%.

As Bolsas da China encerraram no vermelho pela quinta sessão consecutiva, com baixo volume de negócios, devido a persistentes temores de que o governo chinês anunciará novo aperto monetário para controlar a alta dos preços no país. O índice Xangai Composto caiu 1,7% e terminou aos 2.732,99 pontos. O índice Shenzhen Composto cedeu 1,9% e encerrou aos 1.237,15 pontos. As desenvolvedoras imobiliárias ampliaram suas perdas em razão dos temores sobre as possíveis medidas de aperto, após os recentes sinais de uma recuperação das vendas no setor. China Vanke, a maior desenvolvedora de imóveis do país em participação de mercado, recuou 4,8%, enquanto Poly Real Estate Group perdeu 6,2%.

O jornal 21st Century Business Herald reportou nesta terça-feira que o conselheiro do banco central chinês Li Daokui afirmou que a China poderá introduzir mais medidas de aperto em 2011, particularmente no primeiro semestre, a fim de contar a crescente inflação no país.

O yuan registrou nível recorde de fechamento em relação ao dólar, depois que o banco central chinês conduziu a moeda para cima em meio ao enfraquecimento da divisa americana no exterior. No mercado de balcão, o dólar encerrou cotado em 6,6248 yuans - o patamar de fechamento mais baixo desde que a moeda começou a ser negociada regularmente em 1994 -, de 6,6308 yuans na segunda-feira.

O banco central da China fixou a taxa de paridade central dólar-yuan em 6,6252 yuans, de 6,6305 yuans na segunda-feira.

O yuan acumula alta de 3% em relação ao dólar desde 19 de junho, quando a China prometeu que iria permitir uma maior flexibilidade de negociação da moeda local e encerrou efetivamente dois anos de fixação da taxa de câmbio em relação ao dólar americano.

Em Taipé, o índice Taiwan Weighted da Bolsa de Taiwan caiu 0,24% e encerrou aos 8.870,76 pontos, após a queda das ações chinesas apagar os ganhos registrados pela manhã. Muitos investidores realizaram lucros após os ganhos recentes.

Na Coreia do Sul, a Bolsa de Seul fechou em alta, ajudada pela recuperação de ações do setor de tecnologia e das empresas de construção. O índice Kospi subiu 0,55% e atingiu 2.033,32 pontos. Samsung Electronics avançou 1,7% e Hynix Semiconductor teve alta de 3,7%.

O índice SET da Bolsa de Bangcoc, na Tailândia, encerrou com alta de 0,87%, para 1.028,33 pontos, puxado pela compra no final da sessão de investidores que apostam que os fluxos pesados de capital retornarão após o feriado do Ano Novo. Mas o volume de negociação foi estreito, visto que muitos participantes estão fora do mercado. IRPC avançou 8,6% e True Corp. subiu 6,9%.

Nas Filipinas, o índice PSEi da Bolsa de Manila fechou em leve baixa com realizações de lucros nas blue chips, fato que minou os ganhos no mercado. A Bolsa de Manila caiu 0,05%, para 4.163,99 pontos.

A Bolsa de Cingapura subiu pela terceira sessão consecutiva, após os investidores comprarem ações de blue chips com o objetivo de melhorar a qualidade de seus portfólios e devido a melhores perspectivas para 2011. O índice Straits Times subiu 0,77% e fechou aos 3.183,70 pontos, marcando o maior nível da sessão.

O índice composto de cem blue chips da Bolsa de Kuala Lumpur, na Malásia, teve alta de 0,38%, e fechou aos 1.517,44 pontos, depois de atingir a máxima intraday de 1.525,99 pontos.

A Bolsa de Tóquio encerrou o dia em baixa e em negociação estreita nesta terça-feira, com um iene em alta combinado com o fraco desempenho dos mercados da China. Empresas líderes do setor de tecnologia, como Canon e Advantest, pesaram no índice.

O índice Nikkei 225 caiu 0,61%, aos 10.292,63 pontos, após registrar alta de 0,75% na véspera.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.