finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Bolsas asiáticas têm forte queda por temor sobre Líbia

As bolsas de valores da Ásia fecharam em queda nesta terça-feira, com o mercado temendo as consequência dos conflitos na Líbia e migrando para investimentos mais seguros.

NICK MACFIE, REUTERS

22 de fevereiro de 2011 | 08h25

Os futuros do petróleo atingiram a máxima em dois anos e meio devido a preocupações de que a violência na Líbia reduza ainda mais a produção do membro da Opep, história que pode se repetir em outros importantes países produtores de petróleo no norte da África e no Oriente Médio.

O índice Nikkei 225, de Tóquio, fechou em baixa de 1,8 por cento, e o índice MSCI da região Ásia-Pacífico exceto o Japão perdia cerca de 2 por cento às 8h18 (horário de Brasília).

As ações de companhias aéreas asiáticas retrocederam com a alta do petróleo. A Korean Air Line liderou os declínios, caindo mais de 9 por cento. A Cathay Pacific Airways, de Hong Kong, caiu mais de 4 por cento, para a mínima em seis meses.

Grandes construtoras sul-coreanas também perderam com a paralisação dos projetos na Líbia. A ação da Hyundai E&C tombou mais de 9 por cento, enquanto a Daewoo Engineering & Construction recuou 6,3 por cento.

A agência de classificação de risco Moody's mudou de estável para negativa a perspectiva da nota de crédito "Aa2" do Japão, alertando que as políticas do governo podem não ser suficientes para controlar a dívida pública.

Em Xangai, o índice caiu 2,62 por cento. Em Taiwan, a queda foi de 1,87 por cento, enquanto o mercado de Hong Kong se depreciou 2,11 por cento e a bolsa de Seul caiu 1,76 por cento. Em Sydney, o índice referencial recuou 0,88 por cento.

Tudo o que sabemos sobre:
BOLSAASIAFECHA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.