Bolsas asiáticas têm mais um dia de perdas

Humor foi afetado após anúncio do Comitê da Basileia de regras mais estritas para bancos

Reuters,

18 de dezembro de 2009 | 08h32

As bolsas da Ásia encerraram a sexta-feira com perdas, devido a preocupações dos investidores sobre as perspectivas para os lucros corporativos e após o Comitê da Basileia anunciar regras mais estritas para o capital na véspera.

 

Outra pressão veio da queda dos papéis de empresas relacionadas a matérias-primas, seguindo um recuo nos preços do ouro durante a noite. "Já dissemos que os investidores podem estar fazendo ajustes no portfólio antes do novo ano", disse o Investec Bank em nota.

 

O índice MSCI da região da Ásia Pacífico com exceção do Japão recuava 0,475, a 397 pontos, às 7h50 (horário de Brasília). Em Tóquio, a bolsa perdeu 0,21%, para 10.142 pontos.

 

O anúncio de regras de capital mais duras -feito pelo Comitê da Basileia para Supervisão de Bancos na véspera- derrubou ações de bancos como o Mizuho Financial.

 

Sob as novas regras, os bancos terão que abrir mão de lucros maiores ou até mesmo aumentar capital para se proteger contra tempos difíceis a partir de 2012. Serão introduzidos padrões mais altos para volumes de ativos que os bancos precisarão ter e exigências mais estritas para liquidez.

 

As perdas da bolsa japonesa foram reduzidas depois de o Banco do Japão manter o juro em 0,1% e dizer que não irá tolerar a inflação, prometendo condições monetárias expansionistas. Analistas viram nisso uma indicação de mais afrouxamento monetário.

 

Em Hong Kong, a queda foi de 0,80%, a 21.175 pontos. As novas regras globais de capital abateram o HSBC em quase 1 por cento.

 

A bolsa de Sydney perdeu 0,42%, a 4.650 pontos. Entre os destaques de perdas esteve a empresa telefônica Telstra, com queda de 3,4%, depois de reduzir sua previsão de receita.

 

Tudo o que sabemos sobre:
bolsasÁsiaBasiléia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.