coluna

Dan Kawa: Separar o ruído do sinal é a única forma de investir corretamente daqui para a frente

Bolsas atingem marcas históricas

Percepção de que o pior da crise no crédito teria passado e de que o Fed poderia cortar juro anima mercados

Paula Laier, Silvana Rocha e Denise Abarca, O Estadao de S.Paulo

02 de outubro de 2007 | 00h00

As Bolsas em Nova York (Dow Jones) e em São Paulo (Bovespa) iniciaram o quarto trimestre com recordes de pontuação, impulsionados pelo otimismo dos investidores de que o pior do aperto no crédito pode ter passado e que os sinais de economia fraca nos EUA podem levar o Federal Reserve a fazer novos cortes de juro. O Dow Jones subiu 1,38%, a 14.087,6 pontos. O Ibovespa saltou 3,10%, para a marca histórica de 62.340,3 pontos, com giro de R$ 6,363 bilhões. Os preços dos títulos do Tesouro dos EUA de longo prazo subiram e os de curto prazo caíram. O dólar avançou ante o euro e o iene no fim da tarde.No mercado à vista, a moeda americana caiu pela 5ª sessão para o menor preço desde agosto de 2000: a R$ 1,809 (-1,36%) na BM&F e a R$ 1,81 (-1,31%) no balcão. O juro de janeiro 2010 recuou a 11,22%. E o risco Brasil subiu a 175 pontos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.