Renato S.Cerqueira/Futura Press
Renato S.Cerqueira/Futura Press

Bolsas batem recorde nos EUA, mas investidor local mantém cautela com Previdência

Com resultado, Ibovespa sobe, mas atenção do mercado brasileiro está voltado para Comissão Especial da Câmara

Altamiro Silva Junior, O Estado de S.Paulo

03 de julho de 2019 | 15h14

As Bolsas americanas fecharam esta quarta-feira, 3, em nível recorde, o que ajuda a impulsionar os ganhos do Ibovespa. Mas no mercado doméstico o foco maior dos investidores é a sessão da Comissão Especial da Câmara para votar o parecer da reforma da Previdência de Samuel Moreira (PSDB-SP), que deve apresentar nova complementação do voto. O dólar segue em queda.

O mercado financeiro em Wall Street fechou mais cedo, às 14h no horário de Brasília, por causa do feriado do Dia de Independência nos Estados Unidos, nesta quinta, 4. Os mercados europeus e o americano se animaram diante da expectativa de que a diretora-gerente do Fundo Monetário Internacional (FMI), Christine Lagarde, que pode assumir o comando do Banco Central Europeu (BCE), adote mais estímulos econômicos no novo cargo. "Lagarde é aberta à política monetária não convencional", destacam os estrategistas do banco dinamarquês Danske Bank, ressaltando que esperam nova rodada de compras de ativos pelo BCE.

Por causa do feriado nos EUA, os volumes negociados no Brasil já são mais reduzidos, com os investidores preferindo aguardar, além dos desdobramentos da Previdência, os dados de junho do relatório de emprego dos EUA, que será divulgado na sexta-feira e pode consolidar as apostas de corte de juros pelo Federal Reserve (Fed, o banco central norte-americano).

Às 14h35, o dólar recuava 0,39%, sendo cotado a R$ 3,8400, enquanto a moeda americana operava perto da estabilidade ante divisas fortes e recuava ante a maioria dos emergentes. Na B3, o Ibovespa subia 1,06%, aos 101.671,71 pontos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.