Bolsas caem antes de balanços nos EUA

Expectativa de resultados ruins da Alcoa e a queda das commodities justificaram vendas de ações pelo mundo

Claudia Violante, Silvana Rocha e Denise Abarca, O Estadao de S.Paulo

13 de janeiro de 2009 | 00h00

A expectativa de um resultado fraco da Alcoa na abertura ontem da safra de balanços do 4º trimestre nos EUA e a queda dos preços das commodities justificaram vendas de ações nas bolsas pelo mundo. O petróleo em Nova York caiu 7,94%, para US$ 37,59 o barril para fevereiro, em meio a liquidações antecipadas de contratos e temores com a redução da demanda global. Na Bovespa, a queda dos papéis foi generalizada, mas o movimento de realização de ganhos recentes foi mais forte com Petrobrás, Vale e empresas do setor siderúrgico, que tiveram perdas superiores a 6%. O Ibovespa recuou 5,25%, aos 39.403,47 pontos, e reduziu a alta no mês para 4,94%. O dólar encontrou suporte ante o real na valorização em relação ao euro e a libra, amparado na demanda de players que reduziram posições em commodities e ações. O dólar subiu 1,01%, a R$ 2,294 no balcão. O ajuste em alta dos juros ontem pela manhã perdeu força à tarde e a taxa de janeiro de 2010 recuou a 11,56%. O sentimento no mercado é de que com a desaceleração da economia local acima do esperado e o alto diferencial de juros interno e externo o Copom poderá iniciar o ciclo de afrouxamento monetária na próxima semana com um corte mais ousado da Selic.FRASEYoshiaki NakanoDiretor da Escola de Economia da FGV-SP"Postura do BC precisa mudar porque País já está em recessão pelos efeitos da crise externa. Atual momento justificaria reunião extraordinária do Copom para corte de juros"

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.