Bolsas caem com dados dos EUA

Ibovespa perde 2,85%, Dow Jones, 2,1% e Nasdaq, 2,3%

Claudia Violante, O Estadao de S.Paulo

16 de junho de 2009 | 00h00

A Bovespa caiu 2,85% ontem, aos 52.033 pontos, interrompendo uma sequência de quatro segundas-feiras seguidas em alta. O recuo foi puxado, principalmente, pela baixa dos preços das commodities, que pesou sobre as ações de primeira linha (blue chips) e siderúrgicas. A baixa das commodities por causa da valorização do dólar foi a principal justificativa para a queda da Bovespa, já que a maioria das ações no mercado doméstico é ligada ao setor de matérias-primas.Em sessão quase generalizada de perdas, o setor bancário foi outro destaque negativo. Nos Estados Unidos, as bolsas também recuaram, pressionadas pelos dados mais fracos do que o esperado sobre a atividade industrial em Nova York e a confiança dos construtores de imóveis residenciais do país. O Dow Jones caiu 2,13%, o Nasdaq 2,28% e o S&P 500 recuou 2,38%. Com a queda das commodities, os papéis de empresas relacionadas à produção de matérias-primas apresentaram um dos desempenhos mais fracos do dia. Na Europa, os índices também fecharam em baixa. A Bolsa de Londres caiu 2,61%. Em Frankfurt, a queda foi de 3,54%. Na Bolsa de Paris, recuo de 3,2%, e em Madri, de 2,01%.O Ibovespa terminou o dia com a menor pontuação desde 27 de maio, quando chegou aos 51.791 pontos. No mês, a bolsa acumula perdas de 2,19% e, no ano, ganhos de 38,57%. O giro financeiro totalizou R$ 7,888 bilhões, dos quais R$ 2,662 bilhões referiram-se ao exercício de contratos de opções sobre ações. Esse exercício superou o anterior, de maio, quando o volume do vencimento somou R$ 2,48 bilhões. Os especialistas vinham dizendo há algum tempo que a recuperação da Bovespa estava um pouco "esticada" e, para o volume e qualidade de informações sobre a situação econômica, não conseguiria avançar mais. E é isso mesmo o que tem ocorrido. O índice encontra resistência perto de 55 mil pontos e não consegue ir além.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.