finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Bolsas caem e dólar sobe 5% na semana

Índices acionários tiveram comportamento desigual ontem, enquanto a moeda americana e os juros recuaram

Claudia Violante, Silvana Rocha e Denise Abarca, O Estadao de S.Paulo

15 de novembro de 2008 | 00h00

A entrada da zona do euro em recessão, a queda recorde das vendas no varejo nos Estados Unidos em outubro, resultados trimestrais desapontadores das varejistas norte-americanas e anúncios de cortes de empregos pelo Citigroup e Sun Microsystems refletiram ontem o efeito da crise financeira sobre a economia real. Convém lembrar que no começo da semana a China anunciou um pacote de US$ 586 bilhões para estimular a economia, o petróleo cedeu para o nível de US$ 56, menor desde janeiro de 2007, e a General Motors, entrou para a lista de corporações cuja sobrevivência está ameaçada pela continuidade da crise. Apesar do pessimismo com o futuro da economia global, a maior parte das bolsas da Ásia e da Eutopas fechou em alta, ontem, estimulada pelos ganhos da véspera em Wall Street. Na China, há expectativa de um corte dos juros neste final de semana. Na Europa, a bolsa de Londres subiu 1,53% ontem, mas caiu 3,02% na semana. Em Nova York, o Dow Jones recuou 3,82% e ampliou a perda semanal para 5%. No Brasil, a Bovespa cedeu 0,57% na véspera (aos 35.789,10 pontos), e 2,39% na semana. O dólar recuou 4,62%, a R$ 2,270 no balcão, e reduziu a alta semanal para 5,29%. E o juro de janeiro de 2010 declinou para 15,16%.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.