Jonathan Ernst/Reuters
Jonathan Ernst/Reuters

Bolsas caem nos EUA e na Europa

Mercado reagiu mal à notícia de que o secretário do Tesouro americano se reuniu com grandes bancos e a declarações de Trump sobre o Fed

Ricardo Leopoldo, O Estado de S. Paulo

24 Dezembro 2018 | 21h09

As bolsas ao redor do mundo reagiram negativamente nesta segunda-feira à notícia de que o Secretário do Tesouro dos Estados Unidos, Steven Mnuchin, havia se reunido com executivos-chefes de grandes bancos americanos para verificar se as instituições tinham liquidez. O encontro levantou uma série de especulações, que afetaram os mercados nos EUA e na Europa.

Nas mínimas do dia, o índice Dow Jones, da bolsa de Nova York, e o índice S&P 500, que reúne as principais ações chegaram a recuar 2% pela manhã. No início da tarde, o Dow Jones caía 0,88%, depois de ter encerrado, na última sexta-feira, sua pior semana desde a crise de 2008. 

O Dow Jones chegou a ficar abaixo dos 22 mil pontos no começo do pregão de ontem, após as tentativas fracassadas do secretário de Tesouro americano de acalmar os investidores.

“É o tipo de movimentação que coloca dúvidas se o Departamento de Tesouro está enxergando problemas futuros que o resto do mercado ainda não percebeu”, escreveu o analista do banco de investimentos Cowen & Co. Jaret Seiberg, em carta aos seus clientes. 

Enquanto analistas tentam entender por que Mnuchin deixou claro que tratou com os dirigentes de bancos privados, Donald Trump agregou mais uma fonte de insegurança no relacionamento institucional entre seu governo e o Federal Reserve (Fed). Ontem, no Twitter, ele declarou que o “único problema” da economia americana é o Fed (banco central dos EUA). 

A avaliação é de que os ataques ao Federal Reserve são uma tentativa do governo Trump de desviar o debate sobre os motivos e responsáveis pelo fechamento parcial de repartições públicas federais, entre elas a receita federal, outras áreas do Tesouro e o departamento que cuida da segurança de fronteiras.

Na Europa, as bolsas também reagiram mal e fecharam os pregões em baixa. Os negócios na Europa ficaram pressionados em meio à paralisação parcial do governo dos Estados Unidos, que começou no fim de semana e poderá se estender até o começo do próximo ano, diante do impasse no Congresso sobre o financiamento para a construção de um muro na fronteira com o México. 

Na Bolsa de Londres, que foi a primeira a fechar, o índice FTSE-100 caiu 0,52%. Em Paris, o CAC-40 teve baixa mais expressiva, de 1,45%. / COM AGÊNCIAS

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.