Bolsas da Ásia caem com chance menor de corte de juro do Fed

As bolsas de valores da Ásia encerraramem queda nesta segunda-feira, enquanto o dólar avançou para omaior nível contra o iene em um mês, depois que expectativas deum corte agressivo na taxa de juros dos Estados Unidos estasemana perderam força seguindo-se ao anúncio no país de dadosde criação de empregos mais fortes que previsões.Preocupações de que um crescimento mais lento da economia dosEUA irá reduzir a demanda por petróleo fizeram a commodityrecuar para abaixo de 88 dólares o barril, enquanto o ouroficou abaixo dos 800 dólares a onça. Um relatório de criação de empregos nos EUA divulgado nasexta-feira com dados ligeiramente melhores que o esperadoreduziu expectativas de um corte de meio ponto percentual nosjuros do país após a reunião do Federal Reserve, que acontecena terça-feira. Porém, os dados também amenizaram temores deque a maior economia do mundo irá cair em recessão. Investidores adotaram uma postura mais cautelosa antes doresultado da reunião do Fed e, além disso, aguardam para ofinal da semana pesquisa de confiança do empresariado japonês. "Esta é uma semana muito importante em termos deindicadores e eventos, então todo mundo está esperando sinaissobre a saúde das economias dos EUA e do Japão", disseMasayoshi Okamoto, da Jujiya Securities. A bolsa de TÓQUIO encerrou em queda de 0,2 por cento,enquanto o índice MSCI que reúne os outros mercados da regiãoÁsia-Pacífico exibia queda de 0,92 por cento, a 541,98 pontos. Investidores venderam ações de companhias petrolíferas porconta de preocupações de que o preço menor da commodity iráafetar os lucros. Eles também realizaram lucros com ações quepassaram por altas recentes, como Advantest, HynixSemiconductor e SMIC . A bolsa de SEUL recuou 1,44 por cento, a 1.906 pontos,enquanto HONG KONG teve desvalorização de 1,18 por cento.XANGAI foi na contramão e subiu 1,38 por cento e TAIWAN tevequeda de 1,43 por cento, a 8.598 pontos. Em CINGAPURA, o mercado caiu 0,14 por cento e SYDNEY sedesvalorizou em 0,44 por cento. REUTERS AAJ CS

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.