Bolsas da Ásia caem com realizações de lucros

Os negócios na Ásia foram marcados por movimentos de realizações de lucros e também por fatos locais. O índice Hang Seng caiu 61,02 pontos (0,45%), para 13.515,66 pontos, após duas sessões de ganhos sólidos. Nem mesmo o lucro acima do esperado do Bank of East Asia conseguiu sustentar o mercado em alta. O banco, o maior de HK excluindo as instituições controladas por grupos externos, anunciou lucro de 1,92 bilhão de dólares de Hong Kong no ano até 31 de dezembro, superando o 1,64 bilhão de dólares de HK projetados pelos analistas. As ações do banco subiram 1,4%. Na Indonésia, os investidores também resolveram realizar lucros, após o Jacarta Composto ter acumulado alta de 5% nas três sessões anteriores. O índice cedeu 0,48 ponto (0,06%), para 766,77 pontos. Na Malásia, o KLSE Composto retrocedeu 5,73 pontos (0,70%), para 812,06 pontos. Em Cingapura, o Straits Times perdeu 15,52 pontos (0,82%), fechando em 1.872,68 pontos. Em Bangcoc, o Thai Set avançou 6,84 pontos (0,93%), para 738,89 pontos, dando continuidade aos ganhos de ontem, quando subiu 2,9%. A percepção de que as medidas do governo para conter a proliferação da influenza aviária devem ser eficazes tem garantido a volta dos investidores às compras de ações no mercado. "Embora seja cedo para afirmar que a situação é estável, os investidores consideram a falta de novos sinais sobre a doença como uma notícia favorável", afirmou um analista da Seamico Securities. O índice PSE subiu 11,86 pontos (0,80%), para terminar em 1.490,21 pontos, completando três dias em alta. Na Coréia do Sul, o contínuo interesse dos investidores estrangeiros por blue chips como a Samsung Electronics e o Kookmin Bank fez o índice Kospi subir 2,03 pontos (0,23%), para encerrar o pregão em 866,80 pontos. Em Taipé, o Taiwan Weighted somou 25,25 pontos (0,39%) e fechou em 6.488,34 pontos, maior nível em 41 meses, refletindo o clima otimista antes da eleição presidencial de março.

Agencia Estado,

10 de fevereiro de 2004 | 07h47

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.