Ações

Empresas de Eike disparam na bolsa após fim de recuperação judicial da OSX

Bolsas da Ásia cedem com China, realização e commodities

Declínio nas ações dos bancos chineses levaram a Bolsa de Hong Kong a fechar em queda de 0,5%

Ricardo Criez e Hélio Barboza, da Agência Estado,

25 de agosto de 2009 | 09h34

Os mercados da Ásia tiveram maus resultados no pregão desta terça-feira, 25. Com Wall Street sem sinal definido, as bolsas da região se pautaram pela China, pela realização de lucros e pela desvalorização dos preços das commodities, em particular dos metais.

 

O declínio nas ações dos bancos chineses, por causa das preocupações de que Pequim irá restringir o crédito, e a realização de lucros no setor imobiliário levaram a Bolsa de Hong Kong a fechar em queda. O índice Hang Seng perdeu 100,70 pontos, ou 0,5%, e encerrou aos 20.435,24 pontos. China Construction Bank teve baixa de 0,5%. Sun Hung Kai Properties recuou 1,8%, New World Development baixou 3,2% e Henderson Land caiu 1,4%.

 

As preocupações de que os bancos possam lançar novas ações para expandir seus negócios, o que prejudicaria a liquidez do mercado fizeram as Bolsas da China encerrar o dia em forte queda, após três pregões consecutivos de alta. O índice Xangai Composto caiu 2,6% e encerrou aos 2.915,80 pontos. Já o índice Shenzhen Composto recuou 2,3% e terminou aos 975,53 pontos. Pudong Development Bank desabou 7%, enquanto China Merchants Bank deslizou 6,1%. Yunnan Aluminum perdeu 6,4% e Yunnan Luoping Zinc & Electricity teve queda de 4,4%.

 

A desvalorização do dólar nos mercados internacionais contrabalançou a aversão ao risco causada pela queda nos mercados chineses. Este movimento manteve o yuan quase estável em relação à moeda norte-americana. No mercado de balcão, o dólar fechou cotado a 6,8318 yuans, de 6,8315 yuans do fechamento de segunda-feira, 24.

 

A Bolsa de Taipé, em Taiwan, também voltou a cair. O índice Taiwan Weighted baixou 0,4% e terminou aos 6.809,41 pontos. O declínio foi liderado pelo segmento financeiro. Cathay Financial recuou 1,4%. No setor eletrônico, AU Opto perdeu 2,1%. No entanto, Quanta Computer disparou 6,9%.

 

As realizações de lucros levaram o índice Kospi da Bolsa de Seul na Coreia do Sul, a um recuo de 0,7%, fechando aos 1.601,38 pontos. Samsung Electronics caiu 1% e Hyundai Motor baixou 0,9%. Mas as ações da LG Display subiram 2,6%, em parte por causa da notícia de que a empresa assinou memorando de entendimento com o governo da província chinesa de Guangzhou para a implantação de uma fábrica de monitores avançados, num projeto que pode custar mais de US$ 3 bilhões.

 

Na Austrália, o índice S&P/ASX 200 da Bolsa de Sydney perdeu 0,5% e fechou aos 4.405,8 pontos. Apesar da baixa, ações importantes como Woolworths, National Australia Bank e Westfield sustentaram o mercado. A Woolworths comunicou que pretende desenvolver lojas de materiais de construção e decoração na Austrália, numa parceria com a norte-americana Lowe's. As ações da Woolworths fecharam com alta de 2,2%. Já a mineradora BHP Billiton sofreu queda de 1%.

 

O índice PSE da Bolsa de Manila, nas Filipinas, fechou praticamente estável, com perda de apenas 0,04%, terminando aos 2.858,15 pontos.

 

A Bolsa de Cingapura reverteu as perdas da manhã para encerrar em alta, já que os investidores permanecem apostando que o mercado ganhará mais nas próximas sessões. O índice Straits Times subiu 0,2% e fechou aos 2.618,76 pontos.

 

O índice composto da Bolsa de Jacarta, na Indonésia, ganhou 0,2% e fechou aos 2.380,52 pontos com procura por ações baratas de telecomunicações e companhias agrícolas.

 

Na Tailândia, o índice SET da Bolsa de Bangcoc, às 7h15 (de Brasília) subia 0,35%, aos 655,46 pontos.

 

O índice composto de cem blue chips da Bolsa de Kuala Lumpur, na Malásia, recuou 0,3% e fechou aos 1.171,09 pontos, com realizações de lucros. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
mercado financeirobolsasÁsia

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.