Brendan McDermid/Reuters
Brendan McDermid/Reuters

Bolsas da Ásia e Europa caem de olho em avanço da inflação no mundo; Nova York sobe

Investidores europeus e asiáticos temem que alta dos índices inflacionários possa resultar em um aperto das medidas de estímulos dos bancos centrais

Redação, O Estado de S.Paulo

26 de maio de 2021 | 17h30

As Bolsas da Ásia e da Europa fecharam sem sinal único nesta quarta-feira, 26, de olho no avanço da inflação em todo o mundo, principalmente nos Estados Unidos, que pode vir acompanhada de um endurecimento das medidas pró-estímulos. Já no mercado de Nova York o dia foi de recuperação, com os índices fechando com ganhos leves.

Desde ontem, os investidores monitoram os discursos de dirigentes do Federal Reserve (Fed, o banco central americano), que voltaram hoje a classificar a alta da inflação dos EUA como 'transitória'. Os executivos, no entanto, não deram sinais claros sobre quando a entidade monetária pode começar a apertar alguns dos seus estímulos, como o programa de compra de títulos públicos.

Diante do temor do mercado com um possível aperto nos estímulos na maior economia do mundo, o que poderia reduzir a liquidez de países desenvolvidos e emergentes, Fabio Panetta, dirigente do Banco Central Europeu (BCE), afirmou em uma entrevista que a instituição ainda não deve desacelerar o ritmo de compras de títulos por meio do programa emergencial lançado na pandemia.

Bolsas de Nova York

Em Nova York, os índices recuperaram parte das perdas de ontem, quando dados mistos sobre a economia americana deixaram os investidores confusos sobre quais serão os próximos passos do Fed. Com menos turbulências, hoje Dow Jones, S&P 500 e Nasdaq subiram 0,03%, 0,19% e 0,59% cada.

Um dos principais temas hoje foi o retorno de movimentos especulativos de investidores de varejo, que levaram ações como GameStop e AMC a subir mais de 10%. Hoje, ambas tiveram ganhos de 15,82% e 18,76%, respectivamente. No fórum WallStreetBets, da plataforma Reddit, usuários seguem mencionando as empresas. Estudo da consultoria de análise financeira Ortex, citado pela Reuters, estima que os prejuízos desses fundos foi de US$ 754 milhões apenas ontem. "É isso que o 'exército Reddit' espera", afirmou Peter Hillerberg, cofundador da empresa.

Bolsas da Europa

No continente europeu, o índice Stoxx 600, que concentra as principais empresas da região, fechou estável, enquanto a Bolsa de Londres caiu 0,04% e Frankfurt teve baixa de 0,09%. Milão recuou 0,46%, enquanto Madri perdeu 0,13%. Na contramão, Paris e Lisboa subiram 0,02% e 0,18%.

Bolsas da Ásia

No mercado asiático, a Bolsa de Tóquio subiu 0,31% hoje, enquanto Hong Kong avançou 0,88% e Taiwan registrou alta de 0,29%. Os principais índices da China fecharam mistos, com Xangai em alta de 0,34%, mas o Shenzhen em baixa de 0,06%. A Bolsa de Seul também cedeu 0,09%

 Na Oceania, a bolsa australiana ficou em território negativo hoje, em baixa de 0,32%, influenciada por ações de mineradoras e petrolíferas.

Petróleo

petróleo fechou em alta nesta quarta, após um pregão volátil. A commodity chegou a operar em baixa, impactada pela valorização do dólar, mas reduziu as perdas com uma queda nos estoques em solo americano e firmou ganhos após a informação de que ativistas do clima ganharam assentos no conselho da ExxonMobil. A avaliação no mercado é de que isso pode levar a uma redução da oferta da petroleira, o que beneficia os preços e também controla a quantidade de óleo no mercado, em um momento no qual a demanda ainda é afetada pela pandemia.

O barril do WTI para julho subiu 0,21%, a US$ 66,21, enquanto o do Brent para agosto avançou 0,35%, a US$ 68,73. /MAIARA SANTIAGO, IANDER PORCELLA E SÉRGIO CALDAS

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.