Bolsas da Ásia e Pacífico operam a segunda-feira em queda

Profundidade da crise é revelada depois de JP Morgan concordar em comprar Bear Stearns

Associated Press e Efe

17 de março de 2008 | 04h53

Os mercados asiáticos operam em queda, assim como o dólar, depois que o JPMorgan Chase anunciou a compra do banco de investimentos norte-americano Bear Stears, sinalizando a investidores a profundidade da crise de crédito americana.   Os preços do petróleo atingiram o recorde no mercado asiático e os estoques futuros caíram acentuadamente, sugerindo que Wall Street pode abrir em queda nesta segunda depois da sexta-feira, 14, em queda.   O JP Morgan disse nesta segunda que irá adquirir o Bear Stearns por US$ 236, 2 milhões (€ 151,8 milhões), ou dois por ação, em um acordo que representa o colapso de um dos maiores bancos do mundo e respeitado banco de investimentos.   A compra foi planejada para prevenir a falta de crédito no mercado e uma crise de distribuição no sistema financeiro global afetado pela crise do mercado de subbprime norte-americano.   As notícias da aquisição do Bear Stearns surpreendeu investidores antes da abertura dos mercados em Tóquio e Seul. Ambos sentiram o movimento antes de provocar algumas perdas nos negócios da manhã. O seletivo Nikkei da Bolsa de Valores de Tóquio caiu 3,71% e fechou em queda com 454,09 pontos, o mais baixo em dois anos e meio. O Topix, que reúne todos os valores da primeira seção, perdeu 43,58 pontos (3,65%), e se situou nos 1.149,65 inteiros. Em Seul, o índice caiu 1,6% atingindo 1,574.44 depois de ter chegado aos 3,9%.   Na região da Ásia e Pacífico, a maioria dos índices estão em queda, incluindo os mercados da Austrália, China, Indonésia e Filipinas. O mercado indiano caiu 3,8% durante as transações da manhã.

Tudo o que sabemos sobre:
mercadosÁsiacrise

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.