Bolsas da Ásia fecham em alta após injeção de dinheiro dos BCs

Clima positivo se estende pela Europa, onde mercados iniciam dia de altas; petróleo tem ligeira queda

Agência Estado,

12 de março de 2008 | 08h27

Os mercados internacionais aproveitam o alívio de curto prazo injetado na terça-feira, 11, pela ação coordenada dos principais bancos centrais do mundo, liderada pelo Federal Reserve (Fed), o banco central americano. O clima positivo se estende nesta quarta-feira, 12, pela Europa, onde as bolsas engatam mais um dia de altas, após valorizações registradas também pela Ásia. Até o resistente petróleo tem ligeira queda nesta quarta, depois de fechar terça-feira acima dos US$ 108. O dólar, no entanto, mesmo com ligeiro ganho frente ao iene, volta a recuar em relação ao euro.  Veja também:BCs injetam dinheiro para ajudar mercado de créditoInflação da China excede previsões e sobe a 8,7% em fevereiro Petróleo bate novo recorde e chega a US$ 109 em Nova YorkESPECIAL: Preço do petróleo em altaEvolução do preço do dólar Entenda a crise nos Estados Unidos   Veja os efeitos da desvalorização do dólar    O forte desempenho das bolsas dos EUA e o anúncio das medidas tomadas pelo Fed e outros bancos centrais mundiais para conter a crise nos mercados de crédito levaram os mercados da Ásia a fechar em alta nesta quarta. A exceção ficou por conta das bolsas de China, que sofreram com a expectativa de um novo aumento da taxa de juros para conter a inflação e fecharam em baixa, enquanto o yuan recebeu suporte contra o dólar.  As preocupações sobre a adoção de medidas adicionais de aperto monetário pelo Banco Central chinês tiveram maior peso dos que os fortes ganhos em Nova York e nos mercados regionais, levando as bolsas a fechar na mínima de sete meses. O índice Xangai Composto caiu 2,3% e fechou aos 4.070,12 pontos, a menor pontuação de fechamento desde 20 de julho. Já o Shenzhen Composto perdeu 2,5% e encerrou aos 1.290,75 pontos.  Na Coréia do Sul, o índice Kospi da Bolsa de Seul teve alta de 1,1% e fechou aos 1.658,83 pontos, estimulado pelo sólido desempenho das ações do setor de construção naval, sustentado pela busca por pechinchas, e do segmento financeiro, otimista com a tentativa do Fed de reduzir a crise do crédito. Já na Bolsa de Hong Kong, o índice Hang Seng subiu 427,41 pontos, ou 1,9%, e fechou aos 23.422,76 pontos.  Ações de tecnologia e do setor financeiro lideraram as altas na Bolsa de Taipé, em Taiwan, mas os ganhos foram limitados pela realização de lucros de papéis de empresas de cimento e têxteis. O índice Taiwan Weighted subiu 0,6% e fechou aos 8.435,30 pontos, abaixo da máxima intraday, de 8.577,85 pontos.  O mercado filipino fechou com elevação, estimulado pelo desempenho de Nova York. O índice PSE Composto da Bolsa de Manila subiu 1,5% e encerrou aos 2.953,39 pontos, com moderado volume de negociações.  A alta do mercado australiano foi resultado de um forte movimento de coberturas de vendas a descoberto, estimulado pelos resultados das bolsas norte-americanas. Mas a falta de verdadeiros incentivos de compra fez com que, no fechamento, o resultado ficasse abaixo da máxima do dia. O índice S&P/ASX 200 da Bolsa de Sydney teve alta de 2,4% e fechou aos 5.257,90 pontos, mas chegou a atingir 5.369,7 pontos. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
FeddólarbolsasÁsia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.