AP Photo/Lee Jin-man
AP Photo/Lee Jin-man

Covid-19

Bill Gates tem um plano para levar a cura do coronavírus ao mundo todo

Bolsas da Ásia fecham em alta com expectativa de resposta de bancos centrais ao coronavírus

Principal índice acionário chinês, o Xangai Composto subiu 3,15%, a 2.970,93 pontos, enquanto o menos abrangente Shenzhen Composto avançou 3,77%, a 1.869,65 pontos

Sergio Caldas, O Estado de S.Paulo

02 de março de 2020 | 08h24

As Bolsas asiáticas fecharam majoritariamente em alta nesta segunda-feira, 2, com ganhos particularmente acentuados dos mercados chineses, em meio a esperanças de que grandes bancos centrais ajam de forma coordenada com novos estímulos monetários, em resposta à acelerada disseminação do coronavírus fora da China, em especial na Coreia do Sul, na Itália e no Irã

Principal índice acionário chinês, o Xangai Composto subiu 3,15%, a 2.970,93 pontos, enquanto o menos abrangente Shenzhen Composto avançou 3,77%, a 1.869,65 pontos.

O salto na China, que ajudou a apagar boa parte das perdas do pregão anterior, veio com a especulação de que o PBoC - o BC do país - deverá intensificar esforços de estimular a maior segunda economia do mundo após pesquisas mostrarem forte deterioração no setor manufatureiro.

Dados da IHS Markit em parceria com a Caixin Media revelaram que o índice de gerentes de compras (PMI) industrial da China recuou de 51,1 em janeiro para 40,3 fevereiro, atingindo o menor nível desde que começou a ser medido, em abril de 2004. O PMI industrial chinês oficial também despencou para mínima recorde no mesmo período, de 50 para 35,7. As leituras abaixo de 50 indicam contração no segmento manufatureiro.

Outros grandes bancos centrais - como o Federal Reserve (Fed, o BC dos EUA) e o Banco do Japão (BoJ) - também sinalizaram a disposição de reagir ao coronavírus. Desde a semana passada, que foi a pior desde 2008 para as bolsas americanas e europeias, cresceu a especulação de que o Fed pode cortar juros já neste mês.

Desde o início da epidemia, o coronavírus infectou mais de 87 mil pessoas no mundo - a maioria na China - causando cerca de 3 mil mortes, de acordo com a atualização mais recente da Organização Mundial da Saúde (OMS).

Em outras partes da Ásia, o índice japonês Nikkei se valorizou 0,95% hoje, a 21.344,08 pontos, o Hang Seng avançou 0,62% em Hong Kong, a 26.291,68 pontos, e o sul-coreano Kospi subiu 0,78% em Seul, a 2.002,51 pontos. Exceção, o Taiex caiu 1,08% em Taiwan, a 11.170,46 pontos.

Na Oceania, a bolsa australiana ignorou o tom positivo dos mercados asiáticos e terminou a sessão no menor patamar desde 6 de junho do ano passado. O S&P/ASX recuou 0,77% em Sydney, a 6.391,50 pontos. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.