Bolsas da Ásia fecham em alta com manutenção de juro do Fed

As bolsas de valores da Ásia encerraram em alta pelo segundo dia consecutivo nesta quinta-feira depois que o Federal Reserve reforçou que vai manter a taxa de juro em recorde de baixa por enquanto.

ERIC BURROUGHS, REUTERS

25 de junho de 2009 | 08h22

As ações do setor imobiliário estiverem entre os maiores ganhos, com expectativas de investidores de que os juros baixos incentivarão construções e a demanda.

O Fed manteve as taxas de juros perto do zero, mas alterou seu comunicado para dizer que os mercados financeiros apresentam melhora e sinalizam menos preocupação com deflação. Apesar disso, o Fed repetiu que a economia continuará fraca.

O índice MSCI que reúne mercados da Ásia-Pacífico com exceção do Japão subia 1,4 por cento, afastando-se do menor nível em um mês atingido no início da semana. Desde o ponto de baixa recorde do indicador, o índice acumula alta de 52 por cento.

Analistas do Macquarie Securities citaram que o MSCI para a Ásia está num patamar 15 vezes acima dos lucros previstos para 12 meses, acima da média de longo prazo de 13,1 vezes.

"Para que essa tendência continue, a demanda final precisa ser significativa", disse Daniel McCormack, estrategista de ações do Macquarie.

A bolsa de TÓQUIO encerrou em alta de 2,15 por cento, liderada por papéis do setor imobiliário. Os bancos Aozora e Shinsei saltaram com notícias de que estão negociando uma fusão.

Investidores se mostraram menos entusiasmados com o anúncio da Sinopec de compra da petrolífera suíça Addax Petroleum por 7,24 bilhões de dólares, na maior operação de compra internacional feita por uma companhia da China.

Analistas afirmaram que o acordo é caro para a Sinopec, maior refinaria de petróleo da China.

A bolsa de SEUL subiu 2,12 por cento, HONG KONG teve valorização de 2,14 por cento, XANGAI teve ganho de 0,09 por cento e TAIWAN avançou 1,22 por cento.

CINGAPURA teve alta 1,03 por cento e SYDNEY apurou alta de 1,29 por cento.

Tudo o que sabemos sobre:
BOLSAASIAFECHA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.