finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Bolsas da Ásia fecham em alta; Coréia dispara 4,4%

As Bolsas asiáticas fecharam em alta generalizada, motivadas pelas expectativas de que o Comitê de Mercado Aberto, do Federal Reserve, lime as taxas de juro nos EUA em 50 pontos-básicos. A queda do juro contribuiria para desviar a região da eventual recessão, que teria um contágio mundial. As fortes compras realizadas nos mercados à vista e futuro fizeram com que a índice Kospi, da Bolsa da Coréia do Sul, encerrasse o pregão em alta de 4,49%. Grande parte do otimismo dos investidores foi atribuída às expectativas de que ocorram progresso no planejado investimento de US$ 1 bi que o American Internacional Group deve fazer nas unidades financeiras do Grupo Hyundai. A possibilidade de aprovação da construção de uma controversa usina nuclear em Taiwan e a perspectiva de queda da taxa básica de juros norte-americana animaram o mercado local, levando o índice Taiwan Weighted a fechar com valorização de 2,48%. A aposta de afrouxamento da política monetária nos EUA também influenciou os investidores da bolsa de Manila, cuja procura por barganhas fez com que o índice KLSE subisse 0,69%. Em Hong Kong, o índice Hang Seng valorizou 1,31%. Na Indonésia, o índice Jacarta Composto computou elevação de 2,23%. O índice Thai Set, da Bolsa da Tailândia, evoluiu 2,32%. Em Cingapura, o índice Straits Times teve aumento de 1,51%. As informações são da agência Dow Jones.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.