Vincent Yu/AP Photo
Vincent Yu/AP Photo

Ásia e Europa fecham em alta, mas Nova York cai após Trump barrar novos estímulos fiscais

Nesta terça, o presidente americano disse que havia instruído os republicanos a pararem as negociações com os democratas até as eleições de novembro

Eduardo Gayer, O Estado de S.Paulo

06 de outubro de 2020 | 07h30
Atualizado 06 de outubro de 2020 | 18h25

As Bolsas da Ásia e da Europa encerraram o pregão desta terça-feira, 6, em alta, reagindo à alta hospitalar do presidente americano, Donald Trump e também ao cenário mais positivo traçado pela presidente do Banco Central Europeu. No entanto, o mesmo tom otimista não foi visto em Nova York, onde os índices caíram após Trump sinalizar que instruiu os republicanos a abandonarem as negociações por estímulos com os republicanos até as eleições de 3 de novembro. 

Na Ásia, os mercados foram favorecidos pela alta hospitalar de Donald Trump, que agora segue seu tratamento contra a covid-19 na Casa Branca. A notícia, associada à iminência de estímulos fiscais nos Estados Unidos, impulsionou as Bolsas de Wall Street na segunda-feira, 5, e nesta terça, ofereceu suporte adicional às praças asiáticas.

Em Nova York, porém, o clima, até então favorável devido à alta de Trump, azedou quando o presidente americano disse no Twitter que instruiu os republicanos a não negociarem mais novos estímulos com os democratas até as eleições de novembro. "Imediatamente após minha vitória, aprovaremos uma importante lei de estímulo que se concentra nos americanos trabalhadores e nas pequenas empresas", escreveu Trump em sua conta oficial no Twitter. Mais cedo, ele rejeitou a proposta do Partido Democrata para mais estímulos à economia.

O líder da Casa Branca também afirmou que o montante de US$ 2,4 trilhões em estímulos, proposto pela presidente da Câmara dos RepresentantesNancy Pelosi, serviria para resgatar estados democratas "mal administrados e com alto índice de criminalidade". "Fizemos uma oferta muito generosa de US$ 1,6 trilhão de dólares e, como sempre, ela [Pelosi] não está negociando de boa fé. Rejeito o pedido deles e olho para o futuro do nosso país", enfatizou Trump.

Bolsas de Nova York

As bolsas de Nova York haviam começado o pregão sem direção única, com um movimento de realização de lucros após o rali de ontem, firmaram-se em alta à tarde, mas encerraram em queda após o anúncio de Trump. O Dow Jones recuou 1,34%, a 27.772,76 pontos, o S&P 500 cedeu 1,40%, a 3.360,95 pontos, e o Nasdaq registrou baixa de 1,57%, a 11.154,60 pontos.

Os índices acionários também foram pressionados por ações de grandes empresas de tecnologia, que aprofundaram a queda com relatos de que um subcomitê da Câmara poderia recomendar a divisão dessas companhias e limitar o escopo para futuras aquisições. Apple recuou 2,87% e Amazon, 3,10%. Os papéis da Boeing também cederam 6,81%, depois de a fabricante de aviões divulgar uma projeção de impacto da covid-19 no setor que somaria US$ 200 bilhões em 10 anos.

Bolsas da Ásia 

Por lá, a manutenção da política monetária australiana também foi vista com bons olhos. O BC manteve a taxa básica de juros em 0,25%, apesar da aparente melhora, ainda que modesta, das condições econômicas locais após o choque da covid-19. O programa de financiamento da autoridade, criado para apoiar a retomada econômica, também ficou inalterado, em 200 bilhões de dólares australianos (US$ 147,52 bilhões). Por lá, a bolsa australiana fechou em alta de 0,35%, aos 5.962,10 pontos.

Em Tóquio, capital do Japão, o índice Nikkei fechou em alta de  0,52%, enquanto em Seul, capital da Coreia do Sul, o índice Kospi avançou 0,34%. Já em Hong Kong, o índice Hang Seng subiu 0,90%. As praças da China continental seguem fechadas devido ao feriado do Dia Nacional. Os mercados locais não funcionarão ao longo de toda esta semana. 

Bolsas da Europa 

Ba Europa, o bom humor ficou por conta da postura dovish da presidente do Banco Central Europeu (BCE), Christine Lagarde. Mais cedo, ela disse ao Wall Street Journal que a zona do euro ainda não chegou à chamada taxa de reversão, quando cortes de juros causam mais efeitos negativos do que positivos. E que com isso, a entidade deve manter a postura de juros baixos.

Após as sinalizações de Lagarde, as bolsas que até então operavam mistas na Europa, passaram a subir. O Stoxx 600 encerrou com alta de 0,07%, enquanto Londres teve ganho de 0,12%, Paris subiu 0,48% e Frankfurt avançou 0,61%. Milão, Madri e Lisboa tiveram ganhos mais consistentes de 0,85%, 1,44% e 1,14%

Petróleo 

petróleo já havia fechado, com ganhos, quando Trump se pronunciou no Twitter. A commodity foi impulsionada pelo avanço do furacão Delta no Golfo do México, o que pode paralisar parte da produção de petróleo no sul dos EUA. Hoje, o WTI para novembro subiu 3,70%, a US$ 40,67 o barril, enquanto o Brent para dezembro avançou 3,29%, a US$ 42,65 o barril./COLABORARAM MAIARA SANTIAGO E IANDER PORCELLA

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.