Bolsas da Ásia fecham mês na pior baixa desde 2008

As bolsas de valores asiáticas fecharam em baixa nesta sexta-feira, registrando o pior desempenho mensal desde os dias mais voláteis da crise financeira global de 2008.

REUTERS

30 de setembro de 2011 | 08h45

O índice MSCI das ações da região Ásia-Pacífico com exceção do Japão caía 1,28 por cento, após três dias seguidos de alta. No mês, o índice acumula queda de cerca de 13 por cento, a maior desde outubro de 2008.

O euro recuou, rumando para a maior perda mensal em quase um ano, com a aprovação de novos poderes para o fundo de resgate europeu no Parlamento alemão tendo um impacto pouco duradouro.

Temores sobre o aprofundamento da crise de dívida da Europa e a desaceleração da economia global, que prejudicariam as exportações da Ásia, fizeram investidores reduzir apostas em ativos de maior risco no trimestre até setembro.

Os mercados asiáticos, que têm fundamentos considerados superiores em relação aos mercados desenvolvidos no ocidente, não ficaram imunes: os investidores institucionais continuaram a se proteger contra o enfraquecimento das moedas da região, como o iuan.

As ações chinesas listadas em Hong Kong caíram 3,8 por cento, com investidores vendendo papéis de bancos por receio sobre sua exposição no caso de uma retração do mercado imobiliário.

Os mercados de Tóquio, Sydney e Seul fecharam estáveis. Apenas Hong Kong teve forte declínio, de 2,32 por cento, com investidores realizando lucros.

Embora a compra de ações recentemente desvalorizadas tenha dado suporte aos mercados nesta semana, ganhos adicionais podem ser difíceis, já que as preocupações com os fundamentos macroeconômicos continuam.

A bolsa de Taiwan destoou ao avançar 0,60 por cento, enquanto o índice referencial de Xangai perdeu 0,26 por cento. Cingapura retrocedeu 1,22 por cento.

(Reportagem de Antoni Slodkowski e Lisa Twaronite em Tóquio, Umesh Desai em Hong Kong, Cecile Lefort em Sydney e Alex Richardson em Cingapura)

Tudo o que sabemos sobre:
BOLSAASIA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.