Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

Bolsas da Ásia fecham semana em queda seguindo Wall Street

Hong Kong teve a 4ª sessão seguida de perdas após ter atingido na semana a maior pontuação em 15 meses

Ricardo Criez e Hélio Barboza, da Agência Estado,

20 de novembro de 2009 | 08h47

A maioria dos mercados asiáticos apresentou queda nesta sexta-feira, 20. As bolsas da região sofreram com a realização de lucros, a baixa em Wall Street e os maus resultados em ações do setor financeiro. A Bolsa de Hong Kong teve a quarta sessão consecutiva de perdas, ainda em correção técnica, após ter atingido, na segunda-feira, a maior pontuação em mais de 15 meses. O índice Hang Seng caiu 187,32 pontos, ou 0,8%, e terminou aos 22.455,84 pontos - na semana, o índice apresentou baixa de 0,8%. Os papéis de imobiliárias e de bancos lideraram o declínio. Sun Hung Kai Properties baixou 1,5% e New World Development perdeu 1,2%. HSBC recuou 0,5%.

 

Veja também:

linkMoedas da Ásia caem após Brasil taxar ADRs

link Ações no exterior terão IOF de 1,5%

 

Após cinco pregões seguidos de ganhos, a Bolsa de Xangai, na China, fechou em queda, devido às renovadas preocupações sobre um possível aperto na política monetária. O índice Xangai Composto perdeu 0,4% e encerrou aos 3.308,35 pontos - na semana, o índice acumulou alta de 3,8%. Já o Shenzhen Composto ganhou 0,5% e terminou aos 1.208,82 pontos. As ações dos bancos peso pesados lideraram o declínio. Banco Industrial e Comercial da China (ICBC) desabou 1,3%, mesmo porcentual de queda de China Construction Bank. Bank of China deslizou 0,7%.

 

A pouca variação na taxa de paridade central dólar-yuan levou a moeda chinesa a seguir estável em relação à unidade norte-americana. No mercado de balcão, o dólar fechou cotado em 6,8278 yuans, abaixo do fechamento de quinta-feira, que foi de 6,8284 yuans.

 

Já a Bolsa de Taipé, em Taiwan, seguiu no encalço dos demais mercados regionais. O índice Taiwan Weighted caiu 1% e encerrou aos 7.682,97 pontos. As ações do setor financeiro estiveram entre as grandes perdedoras do dia, por conta da contínua pressão por realização de lucros. Chinatrust Financial baixou 1,5%.

 

Na Coreia do Sul, a Bolsa de Seul fechou estável, com o índice Kospi fechando em 1.620,60 pontos. A procura por pechinchas acabou compensando a fraqueza inicial causada pelas preocupações com a economia dos EUA. Samsung Electronics caiu 0,5% e LG Electronics avançou 2,9%.

 

Na Austrália, o índice S&P/ASX 200 da Bolsa de Sydney registrou perda de 1,3%, fechando aos 4.685,8 pontos. A valorização do dólar pesou sobre os preços das commodities e prejudicou principalmente as ações das mineradoras. BHP Billiton baixou 2% e Rio Tinto desceu 1,9%.

 

O índice PSE da Bolsa de Manila, nas Filipinas, terminou em baixa de 0,5%, fechando aos 3.068,73 pontos.

 

A Bolsa de Cingapura encerrou estável, com ganhos em bancos e fabricantes de equipamentos suprindo as perdas da Singapore Airlines e em ações de telecomunicações; O índice Straits Times subiu 0,1% e fechou aos 2.761,54 pontos.

 

O índice composto da Bolsa de Jacarta, na Indonésia, subiu 0,8% e fechou aos 2.487,36 pontos, liderado por compras da mineradora de carvão Bumi Resources.

 

O índice SET da Bolsa de Bangcoc, na Tailândia, recuou 0,7% e fechou aos 695,25 pontos, com os investidores ainda preocupados com a suspensão de 76 projetos industriais.

 

O índice composto de cem blue chips da Bolsa de Kuala Lumpur, na Malásia, recuou 0,2% e fechou aos 1.274,36 pontos, como realizações de lucros pré-fim de semana. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
mercado financeirobolsasAsia

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.