Renda extra

Fabrizio Gueratto: 8 maneiras de ganhar até R$ 4 mil por mês

Bolsas da Ásia ficam de olho em Fed e dados econômicos dos EUA

As principais bolsas asiáticaschegaram perto de seu maior nível em três semanas nestaterça-feira, antes da reunião sobre juros do Federal Reserve eda divulgação de dados econômicos que podem desmotivar ouincentivar os mercados a voltarem a um estado de alerta derecessão como aconteceu em fevereiro e março. O volume de negócios foi menor por conta do fechamento dosmercados japoneses devido ao feriado da Semana Dourada einvestidores em outros países tiveram pouco ânimo num dia defraco giro e queda no preço do petróleo ante o patamar recordedos 120 dólares o barril. Investidores estão ansiosos para ver se o Fed vai dar porencerrada a crise de crédito na quarta-feira ao sinalizar que ociclo de corte de juros está no fim. Eles ainda querem saber sea economia dos Estados Unidos será capaz de apresentarcrescimento no primeiro trimestre, o que seria o bastante paraafastar os temores de recessão por mais três meses. A resposta virá na quarta-feira, com os economistasprojetando uma taxa de crescimento anualizada de 0,2 por cento. A especulação mais forte é de que o Fed reduzirá juros em0,25 ponto, para 2,0 por cento ao ano, e sinalizar que quermanter esse patamar por um tempo. O nervosismo manteve as bolsas asiáticas em compasso deespera. Às 8h16 (horário de Brasília), o índice MSCI que reúnemercados da região Ásia-Pacífico exceto Japão tinha queda de0,27 por cento, aos 491 pontos. Apesar da temporada de resultados ter desgastado os nervosna Europa e Estados Unidos, fortes resultados corporativos doBank of China ajudou o índice Hang Seng da bolsa de HONG KONG afechar em alta de 0,97 por cento, em 25.914 pontos, maiorpatamar em três meses. A bolsa de XANGAI subiu 1,4 por cento e TAIWAN caiu 2,1 porcento Na Coréia do Sul, a bolsa de SEUL recuou 0,64 por cento, a1.811 pontos. CINGAPURA se desvalorizou em 0,91 por cento. Na Austrália, o principal índice da bolsa de SYDNEY fechouem leve alta de 0,07 por cento, aos 5.606 pontos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.