Bolsas da Ásia operam sem rumo comum diante de incertezas

As principais bolsas asiáticasfecharam sem rumo comum nesta segunda-feira, com o redução detemores sobre a economia dos Estados Unidos e incertezas acercado setor financeiro influenciando os negócios antes de mais umaleva de balanços corporativos. O preço do petróleo abaixo dos 124 dólares o barril deualgum conforto nas perspectivas de crescimento econômico, mas oalerta de lucro do terceiro maior banco australiano, queanteviu mais de 1 bilhão de dólares em baixas contábeis,desanimou a região. Às 8h16 (horário de Brasília), o índice MSCI que reúne osprincipais mercados da região Ásia-Pacífico exceto Japão tinhaqueda de 0,3 por cento, aos 419 pontos. O índice Nikkei da bolsa de TÓQUIO fechou com valorizaçãode 0,14 por cento, em 13.353 pontos, depois que dadoseconômicos dos Estados Unidos estimularam expectativas pelosetor de exportações do país. Contudo, as ações da Honda Motor perderam 2,9 por cento, oque limitou os ganhos ainda mais depois que a companhia reduziusuas estimativas de lucro na sexta-feira, deixando osinvestidores apreensivos ante os resultados da Sony, Nintendo,Sumitomo Mitsui Financial Group e Mizuho Financial Group . "Um movimento sólido nas ações em Wall Street e um ienemais fraco dão força ao mercado, mas os investidores estãotendo dificuldades para comprar devido à quantidade deincertezas", afirmou Yutaka Miura, gerente do departamento deinformação de ações na Shinko Securities.A bolsa australiana teve queda de 0,97 por cento, aos 4.922pontos, derrubada pelas ações do New Zealand Banking Group,cujos papéis perderam 9,4 por cento depois de afirmar que olucro anual por ação deve cair cerca de 25 por cento devido aoscustos associados a empréstimos de difícil recuperação. O índice Hang Seng da bolsa de HONG KONG recuou 0,24 porcento, aos 22.687 pontos. Na Coréia do Sul, a bolsa de SEULfechou praticamente estável, aos 1.598 pontos. Em XANGAI, houve alta de 1,32 por cento, TAIWAN caiu 1,82por cento e CINGAPURA se desvalorizou em 0,43 por cento. REUTERS RB AAJ

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.