Bolsas da Ásia recuam com plano de ajuda a Fannie/Freddie

As principais bolsas asiáticasfecharam em queda por temores de que a crise global de créditoseja pior que o previsto depois que Washington mostrou seuapoio às empresas de hipotecas Fannie Mae e Freddie Mac . O plano dos Estados Unidos foi uma tentativa de reasseguraros investidores depois que as ações de ambas as empresasdespencaram mais de 40 por cento na semana passada. Adesvalorização ocorreu por conta de temores que as duascompanhias, que são pilares do mercado imobiliário, estejampouco capitalizadas. As duas empresas, que são controladas por acionistas, mastambém apoiadas pelo governo, afirmaram que estão adequadamentecapitalizadas, mas que receberam com satisfação as medidas deapoio e disseram que elas devem ajudar a criar confiança nomercado. "Medidas para apoiá-las são positivas, mas o fato de queelas passam por dificuldades é um sintoma de um ambiente emdifícil", afirmou Greg Goodsell, estrategista de ações do ABNAMRO, em Sydney. Às 7h47 (horário de Brasília), o índice MSCI que reúnemercados da região Ásia-Pacífico exceto Japão apresentavadesvalorização de 0,98 por cento, aos 416 pontos. O índice Nikkei, da bolsa de TÓQUIO, recuou 0,23 por cento,para 13.010 pontos, derrubado pelo Softbank, que detém 41 porcento do Yahoo Japan. O Yahoo Inc. rejeitou uma proposta deaquisição feita pela Microsoft e pelo investidor Carl Icanh. Em HONG KONG, o principal índice perdeu 0,77 por cento, a22.014 pontos, com as ações do HSBC e Industrial & CommercialBank of China, o maior financiador de moradias do país,figurando entre as maiores quedas. Na Coréia do Sul, a bolsa de SEUL perdeu 0,57 por cento,para 1.558 pontos. O mercado australiano fechou com queda de 1,18 por cento,aos 4.921 pontos. XANGAI subiu 0,76 por cento e TAIWAN perdeu1,21 por cento. CINGAPURA se desvalorizou em 0,78 por cento e SYDNEY recuou1,18 por cento. O mercado deve voltar suas atenções esta semana para osresultados do JPMorgan, Merrill Lynch e Bank of America, quedevem dar novas indicações sobre o estresse causado nosmercados financeiros pela crise de crédito.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.