Bolsas da Ásia recuam com preocupação sobre crescimento

As bolsas de valores da Ásia caíram nesta sexta-feira e moedas dependentes do crescimento da economia, como o dólar australiano, afundaram depois de números que mostraram uma menor atividade industrial na China e na zona do euro alimentaram receios de um desaquecimento na economia global.

REUTERS

23 de março de 2012 | 07h46

Ações de companhias ligadas a commodities como BHP Billiton ficaram entre as que tiveram as maiores perdas, mas o petróleo se recuperou após ter caído no overnight e o cobre deixou o menor nível em duas semanas.

"O medo de que a economia chinesa está tendo um pouso forçado está crescendo, mais do que deveria, acreditamos", disse o estrategista Vincent Chaigneau, da Société Générale. "As preocupações com a Europa estão aumentando de novo, tendo em vista a fraca economia", acrescentou.

Às 7h24 (horário de Brasília), o índice MSCI para região Ásia-Pacífico com exceção do Japão caía 0,09 por cento, a 438 pontos, se aproximando de uma perda na semana de quase 2 por cento.

O índice Nikkei, da bolsa de Tóquio fechou em queda de 1,14 por cento, a 10.011 pontos.

Os dados fracos das duas maiores economias continentais da Europa sugerem que a zona do euro não poderá evitar uma recessão, enquanto na China um economista sênior do governo afirmou que a economia está enfrentando uma pressão maior do que a esperada.

Apesar da desaceleração na Europa e na China serem esperadas, investidores estão preocupados com a queda de encomendas em ambas as regiões, que disparou preocupações de que um recuo severo e não esperado da economia possa dissipar a recuperação global.

A bolsa de Seul encerrou em ligeira alta de 0,04 por cento, enquanto o índice referencial de Xangai perdeu 1,10 por cento e Cingapura ganhou 0,36 por cento. A bolsa de Taiwan subiu 0,21 por cento, o mercado recuou 1,11 por cento em Hong Kong e o mercado em Sydney teve baixa ligeira de 0,08 por cento.

Tudo o que sabemos sobre:
BOLSAASIAFECHA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.