Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

Bolsas da Ásia recuam com volta de preocupação sobre bancos

As bolsas de valores da Ásia caíram até 5 por cento nesta terça-feira, com o movimento pressionado por perspectivas de uma recessão global profunda e por esperanças reduzidas de recuperação do setor financeiro em 2009 depois que o Citigroup anunciou na véspera um dos maiores planos de cortes de emprego da história da instituição. Apesar das condições nos mercados de crédito relativamente estáveis no curto prazo, os bancos estão tendo dificuldades para conter o aumento das perdas com empréstimos de difícil recuperação. O Citi, o segundo maior banco norte-americano, reduziu seus postos de trabalho em 15 por cento em um movimento dramático para se proteger. O HSBC também eliminou 500 postos na Ásia após ter anunciado um corte de 1,1 mil empregos em setembro. As ações do China Construction Bank despencaram quase 10 por cento diante da desaprovação dos investidores desaprovaram do acordo para o Bank of America aumentar sua participação no terceiro maior banco da China por meio de um desconto significativo no preço atual das ações da instituição. "Os investidores encontrarão dificuldades para investir no setor financeiro, a menos que surjam sinais de que a economia global comece a melhorar", disse Kazuhiro Takahashi, do Daiwa Securities SMBC, em Tóquio. O índice que reúne mercados da região Ásia-Pacífico, excluindo o Japão, caía 3,23 por cento às 7h53 (horário de Brasília), trazendo as perdas acumuladas no ano para perto de 60 por cento. As perdas asiáticas se espalharam para o índice mundial, que já totaliza uma queda de 47,5 por cento em 2008. O índice Hang Seng, de HONG KONG, recuou 4,54 por cento, com os papéis de companhias ligadas a commodities sofrendo perdas de dois dígitos. O indicador da bolsas de XANGAI mergulhou 6,3 por cento, pressionado pelo setor imobiliário. O índice Nikkei de TÓQUIO, fechou em queda de 2,3 por cento, influenciado pelo derretimento de 15 por cento das ações do Softbank Corp, a terceira maior operadora celular do país. Os papéis do Mitsubishi UFJ Financial Group (MUFG), maior banco japonês, cederam 6,7 por cento, após o plano maciço de demissões do Citigroup ter retomado os temores sobre a estabilidade do setor financeiro. SEUL fechou em queda de 3,9 por cento, CINGAPURA recuou 3,26 por cento, TAIWAN teve perda de 3,03 por cento e SYDNEY registrou desvalorização de 3,55 por cento. XANGAI despencou 6,3 por cento.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.