Bolsas da Ásia sobem a maior nível em uma semana após Fed

As bolsas de valores da Ásia alcançaram o maior patamar em uma semana nesta quinta-feira, impulsionadas pela decisão unânime do Federal Reserve de manter um plano de compra de 600 bilhões de dólares em títulos para apoiar a economia norte-americana.

IAN CHUA, REUTERS

27 de janeiro de 2011 | 07h56

Apesar da decisão do Fed ter sido largamente esperada, deu suporte à avaliação de que uma onda de liquidez que busca retornos maiores vai continuar a fluir para ativos de risco maior.

"Neste tipo de ambiente, você busca por ativos de crescimento. Então os investidores estão tentando deixar seu dinheiro em investimentos que vão gerar bons retornos ao longo do tempo. Como resultado, ações e commodities estão em alta nessa lista", disse Craig James, economista-chefe da CommSec em Sydney.

A bolsa de Tóquio fechou em alta de 0,74 por cento, a 10.478 pontos, enquanto o índice de bolsas da região Ásia-Pacífico com exceção do Japão exibia às 7h23 (horário de Brasília) oscilação negativa de 0,04 por cento, a 478,60 pontos. Mais cedo, o indicador registrou alta de 0,3 por cento, para o melhor nível em uma semana.

Em Xangai, o mercado avançou pelo segundo dia consecutivo, encerrando em alta de 1,49 por cento, apesar de novas medidas para resfriar o mercado imobiliário terem pressionado ações do setor.

A bolsa de Seul subiu 0,22 por cento, fechando a 2.115,01 pontos, impulsionada por compras de investidores estrangeiros. Mais cedo, o mercado alcançou os 2.121,06 pontos, recorde intradia histórico.

Entre os mercados com pior performance, a bolsa de Sydney fechou com oscilação negativa de 0,04 por cento depois que o governo anunciou um novo imposto sobre renda para ajudar a financiar um programa bilionário de reconstrução de áreas do país devastadas por enchentes.

A bolsa de Hong Kong teve queda de 0,27 por cento, Taiwan subiu 0,52 por cento e Cingapura recuou ligeiros 0,03 por cento.

Tudo o que sabemos sobre:
BOLSAASIAFECHA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.