Bolsas da Ásia sobem com ajuda à Grécia

Tóquio (1,29%) e Xangai (1,09%) avançam; Hong Kong, na contramão, recua 0,11%

Reuters,

12 de fevereiro de 2010 | 08h18

As principais bolsas asiáticas tiveram o quarto dia consecutivo de alta nesta sexta-feira, com os investidores animados com o plano de ajuda da União Europeia à Grécia.

Às 7h54 (horário de Brasília), o índice MSCI que acompanha as principais empresas da Ásia Pacífico exceto Japão tinha alta de 0,345, aos 389 pontos. O índice ainda acumula queda de 10 por cento sobre o mês passado com os operadores vendendo ativos mais arriscados em meio a temores sobre a estabilidade fiscal da Grécia, Espanha e Portugal, bem como as medidas da China para conter os empréstimos e evitar um superaquecimento da economia.

A bolsa de Tóquio fechou com alta de 1,29%, a 10.092 pontos. Na véspera o mercado japonês não abriu devido a um feriado.

Ações de empresas de matérias-primas puxavam os ganhos à medida em que os preços do metais subiam graças a um dado chinês mostrando um aumento forte dos financiamentos no país em janeiro, enquanto a inflação ao consumidor moderou mais do que o esperado.

A japonesa Mitsubishi Corp subiu 3,3%, enquanto as mineradoras australianas BHP Biliton e Rio Tinto tiveram alta de 1,16% e 3,18%, respectivamente.

Contudo, o volume era menor antes do feriado do Ano Novo Lunar na próxima semana na China, Hong Kong, Taiwan, Cingapura e Coreia do Sul.

"Uma série de fatores negativos como as preocupações sobre os problemas da Grécia e as medidas da China agora estão precificadas. Mas ainda carecemos de motivos para comprar mais adiante", disse Masaru Hamasaki, estrategista na Toyota Asset Management.

O índice de Sydney ganhou 0,17%, a 4.562 pontos. A bolsa de Xangai teve alta de 1,09%, para 3.018 pontos.

Taiwan subiu 1,1%, para 7.441 pontos e Cingapura encerrou com alta de 0,19%, a 2.758 por cento.

Na contramão, o índice Hang Seng da bolsa de Hong Kong recuou 0,11%, para 20.268 pontos. A Coreia do Sul teve baixa de 0,26%, a 1.593 pontos. (Kevin Yao)

Tudo o que sabemos sobre:
Bolsas, Ásia, fechamento

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.