Bolsas da Ásia sobem com medidas de BCs mundiais

As principais bolsas asiáticastiveram uma quinta-feira de alta depois de medidas dos bancoscentrais para aumentar a liquidez nos mercados financeiros, quecompensaram a alta de 4 dólares no preço do petróleo. Às 7h53 (horário de Brasília), o índice MSCI da ÁsiaPacífico exceto Japão apresentava alta de 0,51 por cento, aos417 pontos, próximo ao fim dos negócios. O índice Nikkei da bolsa de Tóquio teve ligeira alta de0,07 por cento, para 13.376 pontos, com ações de setores comofarmacêutico se contrapondo aos temores de um desaquecimentoglobal que afete ações de empresas exportadoras. Naquarta-feira, os bancos centrais dos Estados Unidos, Europa eSuíça estenderam suas facilidades emergenciais para os bancosde investimento e expandiram outros programas de liquidez paraaliviar a contenção no mercado de crédito, que vem pesando háum ano na economia global. Na Coréia do Sul a bolsa avançou 1,08 por cento, aos 1.594pontos. Na Austrália o principal índice subiu 0,82 por cento, para4.977 pontos. O índice Hang Seng da bolsa de Hong Kong fechou com alta de0,18 por cento, em 22.731 pontos. As bolsas ainda foram animadas por um indicador de empregodos Estados Unidos que mostrou a criação de 9.000 postos detrabalho no país em julho. O preço do petróleo se manteve estável durante asnegociações no mercado asiático, a 126,74 dólares o barril,depois de subir mais de 4 dólares na quarta-feira após umaqueda inesperada nos estoques de gasolina nos Estados Unidos. Os mercados globais, no entanto, ainda enfrentam riscosnuma série de fronts, incluindo mais perdas potenciais comcrédito e receios acerca de como os bancos centrais irão lidarcom a crescente inflação em tempos de desaquecimento econômico. "No curto prazo, os mercados devem continuar a ver algumarecuperação, mas creio que ainda não vimos as mínimas nosmercados acionários", afirmou Simon Doyle, chefe de renda fixano Schroder Investment Management, na Austrália. (Reportagem adicional de Geraldine Chua, Eric Burroughs,Masayuki Kitano e James Topham)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.