Bolsas da Ásia sobem com otimismo sobre pacote dos EUA

Na Europa, principais bolsas de valores caem, puxada por forte realização de lucros do pregão da véspera

Reuters,

29 de janeiro de 2009 | 08h07

As bolsas de valores da Ásia e o dólar se valorizaram nesta quinta-feira, 29, impulsionados por investidores que se animaram com o progresso do pacote de estímulo econômico no Congresso dos Estados Unidos assim como com outros esforços para abrandar a crise financeira.   Veja também: Câmara aprova pacote de Obama de US$ 819 bi De olho nos sintomas da crise econômica  Dicionário da crise  Lições de 29 Como o mundo reage à crise    O índice MSCI das principais ações da região Ásia-Pacífico com exceção do Japão subiu 0,85%, o que distancia o indicador do patamar mais baixo em seis semanas atingido na semana passada.   Na Europa, as principais bolsas operam em baixa nesta manhã, em movimento de realização de lucros depois dos fortes ganhos de quarta-feira. Às 8h15 (de Brasília), o índice FT-100, de Londres, caía 1,78%; o CAC-40, de Paris, recuava 1,32%; o Dax, em Frankfurt, cedia 1,33%.   A Câmara dos Deputados dos EUA aprovou o plano de estímulos, na primeira conquista legislativa do presidente Barack Obama desde que assumiu o governo norte-americano na semana passada. O debate agora se transfere para o Senado.   "A confiança do investidor melhorou significativamente após a Câmara dos EUA ter aprovado o plano de estímulo econômico. A aprovação do projeto aponta para uma tendência de que medidas de resgate financeiro adicionais serão tomadas para ajudar os bancos", disse Lee Sun-yeob, analista de mercado do Goodmorning Shinhan Securities.   A ação acontece após os parlamentares dos Estados Unidos terem começado a falar mais abertamente sobre a criação de um banco ruim para armazenar os ativos podres relacionados a hipotecas de alto risco que ainda pesam nos balanços de grandes instituições financeiras.   No Japão, o índice Nikkei da bolsa de Tóquio se valorizou 1,8%, ignorando mais notícias dos danos da recessão global e da valorização do iene. A Nippon Steel operou estável no dia, ficando abaixo dos ganhos do mercado após ter reduzido a previsão de lucro em 36%, acima do esperado, devido à queda na venda de carros.   A Sony contabilizou perda trimestral e reiterou previsão de primeiro prejuízo anual em 14 anos, ressaltando a demanda em queda. Já a Toshiba registrou, entre outubro e dezembro de 2008, perdas líquidas de 121,1 bilhões de ienes (US$ 1,346 bilhão), puxado pelo efeito da crise sobre a divisão eletrônica da companhia.   A atividade dos negócios na região foi limitada porque alguns países ainda estão em feriado de Ano Novo Lunar. Mercados financeiros em Hong Kong reabriram após uma pausa de três dias, mas bolsas na China e em Taiwan continuaram fechadas.   O índice Hang Seng, de Hong Kong, saltou 4,6%, equiparando-se a ralis de mercados globais esta semana. Mas entre as principais bolsas mundiais, Hong Kong e Tóquio estão entre os piores desempenhos até o momento em 2009, com declínios entre 7 e 8%.   A bolsa de Seul subiu 0,74%, Cingapura teve avanço de 0,04% e Sydney teve valorização de 0,88%.

Tudo o que sabemos sobre:
Crise FinanceiraEstados UnidosÁsia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.