Bolsas da Ásia sobem com otimismo sobre resultados

As bolsas de valores da Ásia encerraram esta terça-feira em alta em meio a otimismo de resultados trimestrais corporativos fortes. Preocupações menores sobre a crise de dívida da Europa também apoiou o humor dos mercados.

DANIEL MAGNOWSKI, REUTERS

25 de janeiro de 2011 | 08h59

Às 8h04 (horário de Brasília), o índice MSCI que reúne bolsas da região Ásia-Pacífico com exceção do Japão exibia valorização de 0,08 por cento depois de registrar na semana passada a pior performance semanal em quase dois meses. No mês, porém, o índice segue em queda de 1 por cento.

Ações de companhias produtoras de matérias-primas subiram com os preços dos metais industriais.

O Banco do Japão encerrou uma reunião de dois dias e decidiu manter a política monetária extremamente frouxa, como o esperado. A autoridade reviu para cima suas previsões de longo prazo.

O Banco Central japonês reviu para cima sua perspectiva para preços ao consumidor para o ano fiscal que começa em abril, refletindo o impacto de recentes aumentos nos preços das commodities, e manteve a previsão de crescimento econômico.

A bolsa de Tóquio fechou em alta de 1,15 por cento, a 10.464 pontos, avançando pela segunda sessão consecutiva impulsionada por ganhos em Nova York e Londres e otimismo local com resultados de empresas.

"Esta será uma temporada normal de resultados", disse Masayoshi Okamoto, da Jujiya Securities. "As ações subiram muito durante o trimestre e fortes resultados estão parcialmente precificados pelos investidores, então eles querem ver não somente os números do trimestre, mas também como as empresas poderão sustentar o crescimento no longo prazo", acrescentou.

A bolsa de Xangai fechou em queda de 0,68 por cento. Seul teve ganho de 0,22 por cento e Hong Kong teve oscilação negativa de 0,05 por cento. A bolsa de Taiwan subiu 0,49 por cento, Cingapura teve desvalorização de 0,14 por cento e Sydney encerrou em alta de 0,46 por cento.

Tudo o que sabemos sobre:
BOLSAASIAFECHA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.