Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

Bolsas da Ásia têm alta limitada por cautela com UE

As bolsas de valores asiáticas fecharam em alta nesta quarta-feira, mas tiveram os ganhos limitados por preocupações crescentes de que o resultado de uma importante reunião de líderes europeus fique abaixo das expectativas para conter a crise de dívida da zona do euro.

REUTERS

26 de outubro de 2011 | 07h45

O índice MSCI das ações da região Ásia-Pacífico com exceção do Japão chegou a recuar 0,9 por cento, mas passou a operar quase estável. O MSCI bateu o maior patamar desde meados de setembro no pregão anterior, com alta de cerca de 16 por cento desde as mínimas atingidas em outubro.

"O sentimento do mercado não saiu de aversão a risco para apetite por risco apesar dos ganhos recentes, com investidores agora observando se a Europa pode realmente apresentar um pacote abrangente anticrise", disse Hirokazu Yuihama, estrategista da Daiwa Capital Markets.

Espera-se que os líderes da União Europeia adotem um plano para reduzir a dívida da Grécia, recapitalizar os bancos europeus e fortalecer o fundo de resgate da zona do euro, de modo a impedir o contágio no mercado de bônus.

Em Tóquio, o índice Nikkei reduziu as perdas para fechar em leve baixa de 0,16 por cento. A alta do iene para a máxima recorde contra o dólar na terça-feira alimentou preocupações sobre o dano da moeda forte aos resultados empresariais japoneses.

O índice de Seul encerrou em alta de 0,30 por cento. O mercado avançou 0,52 por cento em Hong Kong e a bolsa de Taiwan ganhou 0,60 por cento, enquanto o índice referencial de Xangai subiu 0,74 por cento. Cingapura subiu 0,33 por cento e Sydney fechou com valorização de 0,35 por cento.

(Por Chikako Mogi)

Tudo o que sabemos sobre:
BOLSAASIA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.