Bolsas da Europa fecham em baixa pressionadas por bancos

Ações de farmacêutica suíça Basilea caíram acentuadamente depois um revés sobre um medicamento chave.

Regina Cardeal, da Agência Estado,

30 de dezembro de 2009 | 15h58

As ações europeias declinaram nesta quarta-feira,30, depois de terem atingido máximas em 14 meses na sessão anterior. Os bancos apresentaram declínios fortes e a companhia farmacêutica suíça Basilea caiu acentuadamente depois um revés sobre um medicamento chave.

 

O índice Dow Jones Stoxx 600 caiu 0,4% para fechar em 253,16 pontos, após ter terminado ontem no maior patamar desde outubro de 2008. O índice pan-europeu saiu das mínimas depois de Wall Street abrir numa faixa estreita de oscilação.

 

Em Frankfurt, o índice DAX-30 fechou em baixa de 0,90%, em 5.957,43 pontos numa sessão encurtada. O mercado ficará fechado amanhã, após acumular alta de 23,8% em 2009 - seu melhor ano desde 2005. O melhor desempenho entre os papéis do índice alemão no ano passado foi o do Infineon Technologies, que disparou 353%, enquanto o Commerzbank foi o pior, com declínio de 11,4%.

Em Paris, o CAC-40 caiu 0,62% para terminar em 3,935,50 pontos e o índice FTSE 100, de Londres, caiu 0,73% para 5,397,86 pontos.

 

O destaque de queda da sessão foi a farmacêutica Basilea, cujas ações perderam quase 15% depois de a companhia, que detém a patente do deftobiprole, informar que a Food and Drug Administration (FDA) rejeitou o pedido da Johnson & Jonson para comercializar o medicamento contra infecções. A FDA afirmou que alguns dados contidos na solicitação da J&J não são "confiáveis nem verificáveis" e recomendou que dois novos estudos fossem realizados, segundo a Basilea.

 

Entre as notícias econômicas, o Banco Central da Europa informou que a medida da base monetária na zona de euro se contraiu numa base anual pela primeira vez em novembro, enquanto os empréstimos dos bancos para o setor privado continuaram encolhendo.

 

As ações de bancos caíram, em sua maioria. O Bank of Ireland cedeu 1% em Dublin e o Royal Bank of Scotland perdeu 3,2% em Londres. As mineradoras também perderam terreno. Rio Tinto caiu 1,4% e Anglo American, 1,2%.

 

As ações das companhias aéreas caíram na Europa, com a Ryanair Holding perdendo 3,7%, a easyJet, 2,1% e a AirFrance-KLM, 1,7%. As ações da Japan Airlines (JAL) caíram cerca de 23% em Tóquio com os temores de que o grupo financeiramente problemático pode pedir concordata. As informações são da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.