Bolsas da Europa sobem com otimismo sobre Grécia

O principal índice das ações europeias fechou no maior patamar em quase duas semanas nesta quinta-feira, após um esboço do encontro entre líderes da região mostrar planos indicando uma resposta positiva e abrangente à crise de dívida soberana na zona do euro.

REUTERS

21 de julho de 2011 | 13h05

O índice FTSEurofirst 300 avançou 1,16 por cento, aos 1.103 pontos, maior nível desde 8 de julho.

O setor bancário foi o de melhor desempenho, ampliando o rali pelo terceiro dia. O índice STOXX Europe 600 para bancos subiu 4,1 por cento. Entre as instituições de grande peso no índice, Intesa SanPaolo e UniCredit dispararam 9,5 e 9,95 por cento, respectivamente.

Os líderes da zona do euro devem oferecer ao fundo de resgate financeiro da região novos poderes para evitar o contágio dos problemas e ajudar a Grécia a superar sua crise de dívida, de acordo com o esboço das conclusões de um encontro de emergência nesta quinta-feira.

Os líderes se reuniram em Bruxelas, após o Banco Central Europeu sinalizar uma mudança política ao avaliarem a possibilidade de deixar a Grécia entrar em default temporariamente, havendo depois uma resposta por meio de recompra de títulos, swap da dívida e nenhum imposto a bancos.

"Parece que tudo que eles poderiam ter colocado no 'mix', eles fizeram", afimrou Bernard McAlinden, estrategista do European Securities Network.

"Isso pode dar algum tempo para que as economias coloquem suas casas em ordem."

Em LONDRES, o índice Financial Times fechou em alta de 0,79 por cento, a 5.899 pontos.

Em FRANKFURT, o índice DAX subiu 0,95 por cento, para 7.290 pontos.

Em PARIS, o índice CAC-40 ganhou 1,66 por cento, a 3.816 pontos.

Em MILÃO, o índice Ftse/Mib teve valorização de 3,76 por cento, para 19.490 pontos.

Em MADRI, o índice Ibex-35 avançou 2,93 por cento, a 10.017 pontos.

Em LISBOA, o índice PSI20 encerrou em alta de 2,47 por cento, para 6.972 pontos.

(Reportagem de Brian Gorman)

Tudo o que sabemos sobre:
BOLSAEUROPAFECHA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.