Bolsas de NY recuam após dados de emprego

Dow Jones caía 1,39%, o Nasdaq recuava 1,38% e o S&P 500 perdia 1,41%

Cynthia Decloedt, da, Agência Estado

25 de fevereiro de 2010 | 11h54

As Bolsas de Nova York abriram o dia em baixa, em direção contrária ao fechamento de ontem, com o anúncio de aumento nos novos pedidos de auxílio-desemprego agravando as preocupações com o ritmo da recuperação da economia dos Estados Unidos. Os mercados também amanheceram incomodados com o potencial impacto de eventual rebaixamento da nota da dívida soberana grega sobre a carteira do Banco Central Europeu (BCE), que tem papéis gregos tomados como garantias. Os investidores temem ainda que a crise grega se espalhe por outros países com situação fiscal frágil, comprometendo a recuperação europeia.

Às 11h39 (de Brasília), o índice Dow Jones caía 1,39%, o Nasdaq recuava 1,38% e o S&P 500 registrava baixa de 1,41%. Os dados de hoje desfizeram o entusiasmo gerado ontem pela declaração do presidente do Federal Reserve (Fed, o banco central dos EUA), Ben Bernanke, de que as taxas de juros, por enquanto, serão mantidas em baixa.

Bernanke sinalizou que também nos EUA a recuperação enfrenta percalços. Hoje, o Departamento do Trabalho informou que o número de trabalhadores que pediram auxílio-desemprego pela primeira vez durante a semana passada subiu 22 mil, para 496 mil, contrariando a expectativa de queda de 13 mil.

Também foi divulgado o aumento de 3% nas encomendas por bens duráveis em janeiro, o dobro da alta de 1,5% prevista. A alta das encomendas foi puxada por encomendas de aviões comerciais, que saltaram 126% em janeiro, depois de queda no fim de 2009.

Sem qualquer outro indicador previsto para hoje, os investidores se voltam ao depoimento de Bernanke no Senado, especialmente à sessão de perguntas e respostas, em que o presidente do BC pode se aprofundar em questões de interesse do mercado. No depoimento escrito, Bernanke repetiu as considerações de ontem.

Em relação à Grécia, a agência de classificação de risco Standard & Poor''s alertou ontem que pode rebaixar os ratings (classificação de risco) de longo prazo da Grécia no próximo mês. A Moody''s, fez um alerta similar. Os economistas da Comissão Europeia continuam vendo com preocupação o efeito dos problemas fiscais gregos e de outros países da região. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
ações, Bolsas, Nova York

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.