Bolsas de NY sobem com Google e Citigroup; Bovespa segue

Resultado do Google ameniza temores sobre desaceleração; Citi anuncia perdas menores que as esperadas

Nathália Ferreira, da Agência Estado,

18 de abril de 2008 | 12h29

As bolsas de Nova York operam em forte alta, com os investidores animados depois que o resultado do Google amenizou os temores sobre a desaceleração do crescimento e as baixas contábeis do Citigroup não foram tão ruins quanto o mercado esperava. Os balanços da Caterpillar e da Honeywell também entusiasmaram os investidores, em um dia sem indicadores econômicos previstos para os EUA. Às 11h07 (de Brasília), o Dow Jones subia 1,36%, o Nasdaq saltava 1,88% e o S&P 500 tinha alta de 1,44%. Por aqui, a Bolsa de Valores de São Paulo subia 0,86%, aos 65.110 pontos. Enquanto os lucros no primeiro trimestre estão caindo em diversas empresas dos EUA e, especialmente, nos bancos e cedentes de empréstimos, um crescente número de empresas de tecnologia com alcance global, como Google, Intel e International Business Machines (IBM), estão superando as expectativas com seus resultados e perspectivas, lembraram analistas. Além disso, após meses de venda de ações de instituições financeiras, os investidores parecem estar voltando para os papéis do Citigroup, Merrill Lynch e JPMorgan Chase, na expectativa de que as recentes baixas contábeis finalmente limparam os problemas. Um sinal disso é a valorização de 5,62% das ações do Citigroup às 11h08 (de Brasília). A instituição anunciou prejuízo de US$ 5,11 bilhões no primeiro trimestre, ou US$ 1,02 por ação, devido a baixas contábeis de mais de US$ 13 bilhões. Mas as baixas contábeis não superaram a previsão dos analistas. "Seis meses atrás, o Merrill poderia fazer o mesmo anúncio e todo o mercado cairia", comentou Quincy Krosby, estrategista chefe de investimentos da Hartford Financial. Um operador destacou que "Wall Street está olhando além do horizonte, acreditando que não há como ter mais baixas contábeis dessa escala". O operador lembrou que os cortes de juro do Federal Reserve criaram condições mais favoráveis para os bancos. As ações do Google avançavam 17,01% com o salto de 30% no lucro líquido da empresa, para US$ 1,31 bilhão ou US$ 4,12 por ação. O resultado acalmou os temores de que a gigante de Internet seria prejudicada pela economia. Excluindo itens, o lucro do Google foi de US$ 4,84 por ação, acima da previsão dos analistas de US$ 4,55 por ação. A Caterpillar divulgou aumento de 13% de seu lucro líquido do primeiro trimestre, para US$ 922 milhões ou US$ 1,45 por ação. As vendas líquidas cresceram 18% para US$ 11,8 bilhões. Analistas ouvidos pela Thomson Financial previam lucro de US$ 1,33 por ação e receitas de US$ 10,77 bilhões. Os papéis da empresa subiam 4,81% às 11h09 (de Brasília). Já a Honeywell anunciou alta de 22% em seu lucro do primeiro trimestre, para US$ 643 milhões ou US$ 0,85 por ação. As vendas cresceram 11%.

Tudo o que sabemos sobre:
Mercado financeiro

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.