finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Bolsas dos Emirados Árabes Unidos caem, Dubai despenca 7%

As bolsas de valores dos Emirados Árabes Unidos caíam fortemente nesta segunda-feira e devem continuar sob pressão nos próximos dias, até que haja um maior esclarecimento sobre a situação de dívida de Dubai, disseram operadores e analistas.

REUTERS

30 de novembro de 2009 | 07h08

No primeiro dia de negócios desde que Dubai pediu um adiamento do pagamento de bilhões de dólares em dívida na última quarta-feira, 15 das 32 ações de Dubai abriram no limite de baixa. Em Abu Dhabi, outro emirado, 22 das 60 ações abriram no limite.

A bolsa de Dubai recuava 7,19 por cento, a 1.942 pontos, às 7h01 (horário de Brasília). O índice de Abu Dhabi declinava 8,24 por cento, para 2.670 pontos.

Os papéis do Banco Nacional de Abu Dhabi perdiam 9,7 por cento, depois de a instituição dizer ter 345 milhões de dólares em exposição a duas empresas filiadas à empresa Dubai World, que enfrenta os problemas de dívida.

"É muito difícil prever o que vai acontecer ou quando as coisas vão se estabilizar", disse Hashem Montasser, diretor-gerente do banco.

"Precisamos de mais esclarecimentos para tomar decisões de uma melhor forma. No entanto, não há necessidade para pânico."

As bolsas dos Emirados Árabes Unidos estiveram fechadas desde pelo feriado de Eid al-Adha em 26 de novembro e nesta semana operam apenas nesta segunda-feira e na terça-feira.

"A confiança do investidor leva anos para ser construída e segundos para ser destruída", afirmou Matthew Wakeman, diretor-gerente de ações do EFG-Hermes.

"Provavelmente não haverá estabilização até a próxima semana, já que esta semana é curta."

(Por Enjy Kiwan e Jason Benham)

Tudo o que sabemos sobre:
MERCADOSDUBAICAI*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.