finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Bolsas europeias caem por dados dos EUA e preocupações geopolíticas

O índice FTSEurofirst 300, que reúne os principais papéis do continente, recuou 0,18 por cento, a 1.369 pontos

LIONEL LAURENT E BLAISE ROBINSON, REUTERS

28 de julho de 2014 | 14h16

As bolsas europeias fecharam em queda nesta segunda-feira, com números nada espetaculares sobre a economia dos Estados Unidos e novas sanções europeias contra Moscou compensando notícias positivas sobre empresas como a Ryanair <RYA.I> e Reckitt Benckiser <RB.L>.

O índice FTSEurofirst 300, que reúne os principais papéis do continente, recuou 0,18 por cento, a 1.369 pontos.

Leitura nada espetacular sobre os novos pedidos e o crescimento do emprego do setor de serviços dos EUA e a queda inesperada nas vendas pendentes de moradias em junho pesaram sobre as bolsas. [nE6N0OU01F] [nE6N0OU01H]

O ânimo foi contido, de maneira geral, no início de uma semana de agenda carregada de indicadores econômicos e balanços corporativos nos EUA, e com investidores digerindo a recente série de anúncios mistos sobre empresas europeias.

Investidores também evitaram fazer grandes apostas, de olho no risco geopolítico. Os mercados russos desabaram pela terceira sessão seguida após a União Europeia chegar a acordo preliminar sobre as primeiras sanções econômicas à Rússia desde a queda de um avião malaio no leste da Ucrânia. [nL2N0Q02BN]

Enquanto isso, na faixa de Gaza, uma imensa explosão em um jardim público matou oito crianças e dois adultos e feriu outros 40, disseram médicos palestinos nesta segunda-feira. Locais atribuíram a explosão a um ataque aéreo israelense, mas Israel negou a responsabilidade, dizendo que foi um erro lançado erroneamente pelo Hamas. [nL2N0Q310Y]

"Tensões na Ucrânia e no Oriente Médio, surpresas ruins recentes na temporada de balanços... Falta visibilidade neste momento, o que está levando investidores a ficar às margens do mercado", disse o gestor de fundos do Talence Gestion Alexandre Le Drogoff.

A companhia aérea Ryanair e o grupo de bens de consumo Reckitt Benckiser figuraram entre as maiores altas --ambas as ações subiram 2,7 por cento-- após o bom desempenho da companhia aérea levar a empresa a aumentar sua projeção de lucro e após a Reckitt dizer que planeja vender seu tratamento de vício em heroína, avaliado por alguns em 4,9 bilhões de dólares. [nL2N0Q30CZ]

Em LONDRES, o índice Financial Times <.FTSE> recuou 0,05 por cento, a 6.788 pontos.

Em FRANKFURT, o índice DAX <.GDAX> caiu 0,48 por cento, a 9.598 pontos.

Em PARIS, o índice CAC-40 <.FCHI> ganhou 0,33 por cento, a 4.344 pontos.

Em MILÃO, o índice Ftse/Mib <.FTMIB> teve desvalorização de 0,59 por cento, a 20.939 pontos.

Em MADRI, o índice Ibex-35 <.IBEX> registrou baixa de 0,08 por cento, a 10.879 pontos.

Em LISBOA, o índice PSI20 <.PSI20> valorizou-se 0,29 por cento, a 6.468 pontos.

((Tradução Redação São Paulo; 55 11 5644 7757)) REUTERS BBF CMO

Tudo o que sabemos sobre:
BOLSAEUROPAFECHA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.