Bolsas européias de lado, buscando pistas sobre NY

As maiores Bolsas européias estão de lado, com investidores tentando identificar qual direção será tomada pelas economias dos EUA e da Europa. A pressão sobre o euro, provocada essencialmente pelo iene, também prejudicava o desempenho dos mercados acionários na região. Às 9h50 (de Brasília), o índice FT-100 operava em alta de 0,12% na Bolsa de Londres; o índice CAC-40, de Paris, subia 0,14%; e o índice Xetra-Dax, de Frankfurt, avançava 0,39%. "Os investidores procuram avaliar a necessidade de novo corte nas taxas de juro nos EUA", afirmou Khuram Chaudry, analista da Merrill Lynch. Os indicadores divulgados esta manhã na zona do euro acrescentaram pouco às especulações sobre a possível direção das taxas de juro na zona do euro. Enquanto a taxa de desemprego na Alemanha subiu para 10% em janeiro, mais do que o esperado (9,3%), o sentimento dos consumidores na França permaneceu surpreendentemente favorável, graças às boas perspectivas do mercado de trabalho no país. O índice de sentimento do consumidor francês ficou em +7 em janeiro, acima do nível +3 de dezembro e da previsão de entre +1 e +3 dos economistas. As ações de bancos subiram em Londres, contabilizando expectativas de corte nas taxas de juro na Inglaterra pelo BC local, que reúne-se por dois dias, a partir de amanhã, para discutir política monetária. O resultado da reunião está previsto para quinta-feira. Boa parte dos papéis de telecomunicações operava em baixa nos três principais mercados, enquanto as ações de energia subiam, beneficiadas pelo fim do acordo de fusão entre as espanholas Endesa e Iberdrola. As informações são da Dow Jones e agências internacionais.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.