Bolsas européias oscilam e Suécia corta juros

Londres registra alta de 0,60% na abertura; banco central da Suécia realiza corte em meio ponto

Efe,

23 de outubro de 2008 | 06h58

As Bolsas européias abriram o pregão desta quinta-feira, 23, com resultados mistos, após as asiáticas fecharem em baixa. O temor de uma recessão mundial continua e causou a queda dos mercados da Ásia e da Oceania e é responsável pela oscilação na Europa. O Banco Central da Suécia anunciou o corte das taxas de juros em meio ponto. Veja tambémBolsas asiáticas desabam levadas pelo medo de recessãoConsultor responde a dúvidas sobre crise  Como o mundo reage à crise  A cronologia da crise financeira  Dicionário da crise  O índice FTSE-100 da Bolsa de Londres operava nos primeiros minutos do pregão em alta de 24,09 pontos (0,60%), aos 4.064,98. O índice DAX 30 da Bolsa de Frankfurt caía 1,25%, aos 4.514 pontos. Em Milão, o índice S&P/MIB perdia 0,66%, para 20.953 pontos e o indicador geral Mibtel registrava queda de 0,70%, aos pontos. Em Zurique, o índice geral SMI (Swiss Market Index) perdia 29,33 pontos (0,49%), para 5.896,13. O índice Ibex-35 da Bolsa de Madri caía 68 pontos (0,93%), aos 8.926. O Índice Geral de Madri registrava na abertura uma queda de 1,25%, para 954 pontos. Suécia O Riksbank (Banco Nacional da Suécia) cortou as taxas de juros em meio ponto, para 3,75%, 15 dias após anunciar um corte similar que agora considera insuficiente por causa da crise financeira mundial. "Acreditamos que a crise aguçará a atual baixa conjuntura com um mercado de trabalho mais fraco e uma inflação mais baixa como conseqüências. Para suavizar os efeitos na economia sueca, é necessário diminuir os juros em um curto período", assinalou em comunicado. Segundo os cálculos do Riksbanken, as taxas de juros descerão pelo menos outro meio ponto nos próximos seis meses, para 3,2% em 2009 e 3,4% em 2010. O Riksbank elevou suas previsões sobre desemprego para a Suécia, com um teto de 7,6% em 2010, o que equivale a 0,7 ponto a mais que no cálculo anterior.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.