Coluna

Fabrizio Gueratto: como o investidor pode recuperar suas perdas no IRB Brasil

Bolsas europeias reagem ao Fed e voltam a fechar com alta

Quando o anúncio da compra foi feito, na quarta-feira, 18, as bolsas da região já tinham fechado

AE-Dow Jones,

19 de março de 2009 | 16h42

As principais bolsas da Europa voltaram a subir após duas sessões em queda, reagindo à decisão do Federal Reserve de comprar US$ 300 bilhões em Treasuries. Quando o anúncio da compra foi feito, na quarta-feira, 18, as bolsas da região já tinham fechado. As seguradoras se beneficiaram da decisão, segundo analistas, uma vez que essas empresas são grandes detentoras desses títulos.

 

Veja também:

Fed mantém juro perto de zero e injeta US$ 1 tri no mercado

especialLições de 29

especialComo o mundo reage à crise 

especialDicionário da crise 

 

Em Londres, o índice FTSE-100 encerrou com alta de 11,94 pontos (0,31%), para 3.816,93 pontos. Em Frankfurt, o Xetra-DAX avançou 47,14 pontos (1,18%), para 4.043,46 pontos e, em Paris, o CAC-40 subiu 16,65 pontos (0,60%), para 2.776,99 pontos. Em Madri, o IBEX-35 avançou 40 pontos (0,52%), aos 7.701,60 pontos.

 

A Standard & Poor's advertiu que a decisão de comprar títulos da dívida tomada pelo Banco da Inglaterra (BoE) e depois pelo Federal Reserve será dificilmente seguida pelos países da zona do euro, onde o risco de deflação é cada vez maior. "Enquanto Alemanha, França, ou mesmo Itália, parecem imunes à espiral deflacionária, o mesmo não pode ser dito sobre a Irlanda e a Espanha, onde a recessão deve se arrastar por um longo período de tempo", afirmou Jean-Michel Six, economista-chefe da S&P para a Europa.

 

O Banco Central Europeu (BCE) deve encontrar mais dificuldade para implementar medidas de afrouxamento monetário do que o Reino Unido porque não há um mercado único de bônus da zona do euro, mas sim uma coleção de mercados de bônus nacionais denominados em euros. Contudo, hoje os investidores preferiram se concentrar mais nas ações do Fed do que na ausência delas no BCE.

 

No ramo de seguros, as ações da britânica Prudential, que não tem relação com a norte-americana de mesmo nome, subiram 13,41% depois de a empresa anunciar um forte lucro operacional em 2008 e que o executivo-chefe, Mark Tucker, será substituído pelo diretor financeiro, Tidjane Thiam. Outras seguradoras também registraram altas fortes. Aegon avançou 10,71% e ING saltou 12,38% em Amsterdã, e a Zurich Financial ganhou 11,61%, em Zurique.

 

No segmento de tecnologia da informação, as ações da SAP subiram 2,83% em Frankfurt depois de a sua rival Oracle anunciar o primeiro pagamento de dividendos. "É uma informação muito tranquilizadora para toda a indústria. Confirma que as vendas e as margens dos melhores grupos podem sobreviver a essa crise", comentaram analistas da corretora alemã Equinet.

 

No segmento de transportes, as ações da companhia britânica de ônibus e trens subiram 20,7% depois de anunciar resultados anuais em linha com as expectativas. A receita aumentou 7,3% no período. As ações da Ferrovial caíram 0,8% depois que a Comissão Britânica de Concorrência ordenou que sua unidade BAA venda três aeroportos - Gatwick e Stansted, em Londres e o de Edimburgo ou Glasgow, nos próximos dois anos. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
Fedbolsas europeias

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.