Renda extra

Fabrizio Gueratto: 8 maneiras de ganhar até R$ 4 mil por mês

Bolsas europeias recuam com corte na nota de crédito da Irlanda

Mercados também aguardam detalhes do acordo fechado entre líderes da União Europeia sobre mudanças no tratado do bloco que são necessárias para estabelecer um mecanismo permanente contra crises em 2013

Danielle Chaves, da Agência Estado,

17 de dezembro de 2010 | 08h22

As bolsas europeias registraram leve alta mais cedo, beneficiadas por notícias de que os líderes da União Europeia (UE) chegaram a um acordo sobre mudanças no tratado do bloco que são necessárias para estabelecer um mecanismo permanente contra crises em 2013. No entanto, as preocupações com a dívida soberana de países mais fracos da zona do euro foram relembradas pelo rebaixamento do rating (classificação de risco) da Irlanda em cinco notas pela Moody''s.

Ontem, os líderes europeus reunidos em Bruxelas decidiram que o novo mecanismo permanente contra crises vai substituir a atual Linha de Estabilidade Financeira Europeia (EFSF, na sigla em inglês) e poderá envolver o setor privado, o que implicitamente significa que uma reestruturação de dívida será possível.

Detalhes do acordo ainda não são conhecidos e os participantes dos mercados continuam aguardando o encerramento da cúpula, que segue hoje. "Nós vamos continuar observando a cúpula da União Europeia hoje na esperança de um anúncio que evite uma volta para a crise na zona do euro no novo ano", comentou Kenneth Broux, analista do Lloyds Ban.

Nesta sexta-feira, a chanceler da Alemanha, Angela Merkel, afirmou que o mecanismo "precisa ser suficiente" em termos de tamanho. "O mecanismo contra crises será desenvolvido em detalhes até março", afirmou Merkel. A declaração não confirma uma reportagem do jornal alemão Die Welt de que o mecanismo terá tamanho ilimitado.

Uma fonte de sustentação para as bolsas nesta manhã é o índice Ifo de sentimento das empresas da Alemanha, que atingiu um nível recorde em dezembro. Mas o corte do rating da Irlanda de Aa2 para Baa1, pela Moody''s, com perspectiva negativa, limita os ganhos das ações. Às 9h03 (horário de Brasília), a Bolsa de Londres cedia 0,29%, a Bolsa de Paris recuava 0,10% e a Bolsa de Frankfurt caía 0,09% As informações são da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.