Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

Bolsas européias se recuperam após Ásia fechar em alta

Bom desempenho asiático e redução da taxa de juros para os bancos nos EUA acalmam investidor

Marcelo Crescenti, BBC

20 de agosto de 2007 | 09h32

As principais bolsas de valores européias abriram em alta nesta segunda-feira, 20, e recuperaram parte de suas perdas depois do bom desempenho dos mercados asiáticos. Além da boa performance das bolsas na Ásia, a redução da taxa de redesconto - de juros cobrados de bancos - pelo Fed (Federal Reserve, o banco central americano) nos Estados Unidos na semana passada, também serviu para acalmar os investidores europeus. O índice Nikkei da bolsa de Tóquio fechou em alta de 3% depois de ter caído 5,4 % na sexta-feira passada - a pior perda em um só dia dos últimos seis anos. O índice Hang Seng da bolsa de Hong Kong também fechou em alta de 5,9 %. Em Cingapura os ganhos foram ainda maiores: 6,1 por cento. Os mercados europeus também operam em alta nesta segunda-feira, apesar do nervosismo continuar. Às 12h14 de Londres (8h14 de Brasília) a bolsa londrina operava em alta de 0,8 %. Paris e Frankfurt registravam ganhos de 1,25 % e 0,5 %, respectivamente.  AlívioA crise nas bolsas em todo o mundo foi causada por problemas no mercado de crédito imobiliário de risco nos Estados Unidos. Segundo o banco alemão Commerzbank, a redução da taxa de redesconto pelo Federal Reserve ou Fed, o banco central americano, foi decisiva para a recuperação nas bolsas. A medida espantou temporariamente o medo de que os bancos concedam menos empréstimos, o que poderia desaquecer a economia. No entanto, vários analistas avisam que, apesar da recuperação, a crise ainda não foi superada. "Ninguém sabe ainda exatamente quantas empresas foram realmente atingidas pela crise no mercado imobiliário americano", diz o analista Andy Sommer do banco HBS Nordbank.  BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Tudo o que sabemos sobre:
Aversão ao riscoEuropa

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.