Bolsas européias sobem com aposta de corte no juro dos EUA

Depois do segundo melhor dia da história em NY e de ganhos na Ásia, Europa mantém valorização da véspera

Reuters,

29 de outubro de 2008 | 07h42

Os mercados acionários europeus operavam em alta nesta quarta-feira, 29, seguindo os ganhos das bolsas dos Estados Unidos e da Ásia, à medida que investidores apostavam que o Federal Reserve cortará a taxa de juros em uma tentativa de estimular o crescimento econômico.   Veja também: Veja os reflexos da crise financeira em todo o mundo Veja os primeiros indicadores da crise financeira no Brasil Lições de 29 Veja o que muda com a Medida Provisória 443 Veja as semelhanças entre a MP 443 e o pacote britânico Como o mundo reage à crise  Entenda a disparada do dólar e seus efeitos Especialistas dão dicas de como agir no meio da crise Dicionário da crise    Às 7h29 (horário de Brasília), o índice FTSEurofirst 300 das principais ações européias registrava alta de 3,46%, a 863 pontos, em sua segunda alta seguida depois de uma onde de cinco dias seguidos de queda. Wall Street registrou na terça-feira seu segundo melhor dia da história, com os principais índices acionários exibindo valorização de cerca de 10%.   O Federal Reserve, o banco central dos Estados Unidos, deve anunciar seu veredicto quanto à taxa de juro às 16h15 (horário de Brasília). Em uma pesquisa da Reuters, dealers primários esperam que a taxa básica de juro será cortada para 1% ante o atual patamar de 1,5%.   O Japão poderá seguir os Estados Unidos no corte da taxa de juro esta semana, disse uma fonte com conhecimento do assunto. O índice Nikkei da bolsa de Tóquio registrou alta de 7,7%.   As ações do setor bancário eram as que mais puxavam os ganhos nos mercados europeus, com os papéis do UBS em alta de mais de 10%, do Standard Chartered em valorização de 12,3% e o Royal Bank of Scotland em alta de 12,7%.   As ações do BBVA eram negociadas em alta de 8,6%, depois de o banco ter informado que o lucro líquido recorrente de nove meses subiu 9,1% para 4,321 bilhões de euros antes 3,962 bilhões, em comparação com expectativa de 4,18 bilhões de pesquisa da Reuters.   "Aproveite a festa enquanto pode", disse David Buik, comentarista de mercado da Cantor Index em Londres.   A Volkswagen, a maior queda da Europa, registrava desvalorização de 44,7% após notícias de que a bolsa de valores alemã irá cortar o peso de ações no índice de blue-chips alemão DAX, depois de uma forte valorização das ações da montadora, que fez dela a maior companhia do mundo por alguns instantes.   Os papéis da Porsche, principal valorização da Europa, registravam alta de 34,7%. A companhia informou no domingo que irá obter ações e opções equivalente a 74% da VW.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.