finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Bolsas européias sobem com plano de ajuda ao Citigroup

Governo dos EUA concorda em tomar uma medida sem precedentes para estabilizar o 2º maior banco do país

Agência Estado,

24 de novembro de 2008 | 07h55

As principais bolsas da Europa iniciam a semana em alta após o governo dos Estados Unidos anunciar um pacote de resgate para o Citigroup, o segundo maior banco do país. Na semana passada, as ações do grupo despencaram mais de 60% em meio a incertezas sobre o futuro da empresa. A expectativa sobre a equipe econômica de Barack Obama também dá suporte aos mercados europeus nesta manhã. Às 7h40 (de Brasília), Frankfurt subia 3,35%, Londres registrava alta de 4,38% e Paris ganhava 4,12%.   Veja também: EUA vão injetar US$ 20 bilhões para salvar o Citigroup Todas as notícias sobre o Citigroup  De olho nos sintomas da crise econômica  Lições de 29 Como o mundo reage à crise  Dicionário da crise    O governo federal dos EUA concordou em tomar uma medida sem precedentes para estabilizar o Citigroup, dando garantias de cerca de US$ 300 bilhões para os ativos do portfólio do banco que estiverem em dificuldades, de acordo com pessoas familiarizadas com os detalhes do plano. Além disso, o Tesouro americano concordou em injetar adicionais US$ 20 bilhões em recursos na instituição.   Na sexta-feira, o nome de Timothy Geithner - presidente do Federal Reserve (Fed, o banco central dos EUA) de Nova York - para o Tesouro agradou e provocou a disparada das bolsas norte-americanas no final do pregão - movimento que também ajusta as bolsas da Europa nesta segunda. A expectativa é de que Lawrence Summers seja escolhido para o Conselho Econômico.   Apesar da alta das bolsas nesta segunda, a percepção sobre a economia mundial continua extremamente negativa. Prevalece a avaliação de que a economia real sentirá fortemente os efeitos da turbulência financeira em 2009, um ano que guardará aumento do desemprego e retração do consumo.   Por aqui, a Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) recuou 6,45%, aos 31.250,60 pontos na sexta-feira. Na semana, a baixa atingiu 12,68%, elevando a queda no mês a 16,12% e a do ano a 51,08%. O índice oscilou entre a mínima de 31.081 pontos (-6,96%) e a máxima de 33.403 pontos (-0,01%).   Ásia   As bolsas asiáticas fecharam o primeiro pregão da semana em baixa, ainda com a incerteza sobre o futuro do Citigroup, já que o plano de ajuda ainda não havia sido anunciado, e à espera da escolha do presidente do Fed de Nova York, Timothy Geithner, para o cargo de secretário do Tesouro na gestão de Barack Obama. A Bolsa de Tóquio não funcionou por ser feriado no Japão.   O índice Kospi da Bolsa de Valores de Seul, na Coréia do Sul, fechou em baixa de 33,59 pontos (3,35%), aos 970,14. Em Hong Kong, o índice Hang Seng caiu 0,80%. O seletivo KLCI, de Kuala Lumpur, perdeu 0,82%. Já o indicador Strait Times, em Cingapura, caiu 2,07%.   O índice SET, da Bolsa de Bangcoc, perdeu 1,82%. Jacarta e Xangai também fecharam em baixa de 1,02% e 3,67%, respectivamente.   (com agências internacionais)

Tudo o que sabemos sobre:
CitigroupBolsasEuropa

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.