Bolsas na Ásia fecham em alta; China sobe 0,8% com varejistas

País informou que elevará os benefícios dos pensionistas em 2010 e que irá encorajar as pessoas a gastar mais

Carlos Lo Prete e Cynthia Decloedt, da Agência Estado,

23 de dezembro de 2009 | 09h07

As principais bolsas asiáticas fecharam em alta, animadas pelos ganhos em Nova York e Europa. A China inverteu o sinal da véspera, graças ao interesse dos investidores nas ações de companhias varejistas, prevendo fortes vendas durante o feriado conhecido como festival da primavera, em fevereiro. Os papéis das siderúrgicas também atraíram investidores que esperam aumento dos preços de seus produtos. O índice Xangai Composite subiu 0,8%, fechando aos 3.073,78 pontos. Já o Shenzhen Composite avançou 1,7%, para 1.127,95 pontos.

 

Na terça-feira, 22, o Conselho do Estado da China, o gabinete do governo, informou que irá elevar os benefícios dos pensionistas a partir do ano que vem, que irá encorajar as pessoas a gastar mais dinheiro, segundo os investidores. "A China deve lançar mais medidas para incentivar a demanda doméstica e melhorar o sistema de seguridade social", disse o analista do Huatai Securities, Geng Kun.

 

No mercado de câmbio, por volta de 7h30 (de Brasília), o dólar americano valia 6,8284 yuan chineses, praticamente estável em relação aos 6,8281 da véspera.

 

Hong Kong fechou em alta, com o índice Hang Seng subindo 1,12% no final do pregão, para 21.328,74 pontos. Os analistas preveem que o mercado local irá operar em uma banda estreita até o fim do ano, oscilando entre 21 mil e 21,4 mil pontos. O setor bancário foi destaque de alta, segundo os analistas devido as boas perspectivas de ganhos no longo prazo: China Construction Bank (1,6%) e Bank of China (2,2%). A seguradora China Pacific Insurance fechou em alta de 1,1% em sua estreia na Bolsa de HK nesta quarta-feira. No seu IPO, o segundo maior em HK e o sétimo maior do mundo este ano, a empresa captou US$ 3,09 bilhões. O nível de fechamento em HK é 6,4% superior ao preço do papel no encerramento dos negócios na Bolsa de Xangai.

 

Na Coreia do Sul, o mercado sustentou a alta da véspera e, ao final dos negócios, o índice Kospi da Bolsa de Seul subia 0,4%, fechando aos 1.661 pontos. Montadoras e empresas de tecnologia deram o tom das altas: Hyundai (1,8%), Kia (0,7%), Samsung Electronics (0,4%), LG Display (1,4%).

 

Em Taiwan o mercado manteve-se em alta e o índice da Bolsa de Taipé subiu 0,6%, fechando aos 7.901 pontos, melhor nível desde junho. O índice chegou a atingir 7.910 pontos, mas não se sustentou neste patamar porque a maioria dos investidores estrangeiros já entrou em recesso. Hon Hai subiu 2,9%; Nanya Technology disparou 7%.

O mercado filipino inverteu o sinal em relação à véspera e o índice PSE da Bolsa de Manila fechou em alta de 0,3%, aos 3.024 pontos. O destaque do dia ficou por conta da PhilWeb Inc., cujos papéis subiram 10% após anúncio de investimento em um provedor alemão que garantirá a utilização dos serviços da companhia asiática em 200 mil quartos de hotéis na Europa.

 

Outro mercado que fechou em alta foi o australiano, onde o índice S&P/ASX 200 avançou 0,8% ao final dos negócios, para 4.739 pontos, atingindo seu nível mais alto em aproximadamente três semanas. No setor de bancos, destaque para as altas do Westpac (2,2%) e do ANZ (1,1%). No de metais, BHP Billiton e Rio Tinto subiram 0,7%, ambas.

 

A Bolsa de Cingapura encerrou seu segundo dia seguida de ganhos com o índice Strait Times no maior nível para 2009, aos 2.841,56 pontos, após subir 0,6%. A alta ontem em Nova York impulsionou o movimento.

 

A Bolsa de Jacarta, na Indonésia, fechou em alta de 0,29%, aos 2.474,88 pontos; a Bolsa de Kuala Lumpur, da Malásia, fechou em alta de 0,01%, aos 1.260,53 pontos; e a Bolsa de Bangcoc, na Tailândia, encerrou em alta de 0,8% aos 729,80 pontos. As informações são da Dow Jones

Tudo o que sabemos sobre:
ÁsiabolsasaçõesChina

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.