Bolsas na Ásia fecham em alta; Seul avança 2,3% e HK, 1%

Mercado asiático foi estimulado principalmente pela atal em Wall Street; China realizou lucros e caiu 0,7%

Ricardo Criez e Hélio Barboza, da Agência Estado,

10 de setembro de 2009 | 09h51

Os mercados asiáticos fecharam no campo positivo nesta quinta-feira, 10. A maioria das bolsas da região atingiu índices significativos, estimuladas principalmente pela alta em Wall Street. Novamente a exceção foi a China, que sofreu com a realização de lucros.

 

A Bolsa de Hong Kong atingiu durante o pregão sua maior pontuação em mais de um ano. O índice Hang Seng subiu 218,52 pontos, ou 1%, e encerrou aos 21.069,56 pontos - mas o índice foi a 21.322,55 pontos, o melhor resultado desde 29 de agosto de 2008. As ações do setor imobiliário e de bancos chineses lideraram a alta. Entre as imobiliárias, Wharf avançou 4,1% e Henderson Land fechou em elevação de 2,2%. HSBC disparou 10%. Bank of China ganhou 2,2%. Banco Industrial e Comercial da China (ICBC) também ganhou 2,2%, após informações de que o banco de crédito mostrou interesse em adquirir o Wing Hang Bank, que adicionou 2,5%.

 

Após sete sessões seguidas de alta, as Bolsas da China fecharam em queda, com os papéis de corretoras e montadoras liderando o declínio. O índice Xangai Composto perdeu 0,7% e encerrou aos 2.924,88 pontos. Já o índice Shenzhen Composto caiu 1% e terminou aos 1.000,63 pontos. Depois dos recentes ganhos, Guoyuan Securities cedeu 3,4% e Northeast Securities deslizou 2,7%. Chongqing Changan Automobile baixou 4,2%, mesmo porcentual de queda de SAIC Motor.

 

O yuan terminou em baixa em relação ao dólar devido a expectativas de que o banco central deve manter a taxa de paridade central dólar-yuan acima do importante nível psicológico de 6,8300 sexta-feira. Embora a taxa de paridade central tenha ficado abaixo dos 6,8300 yuans pela segunda sessão consecutiva, traders disseram que a divisa chinesa não deve se apreciar fortemente ante o dólar nos próximos meses porque Pequim deve manter a taxa estável como parte de seus esforços de ajudar o setor exportador do país. No mercado de balcão, o dólar fechou cotado a 6,8294 yuans, de 6,8288 yuans do fechamento de ontem.

 

A Bolsa de Taipé, em Taiwan, voltou a fechar em alta, com compras de investidores estrangeiros em ações de bancos e de blue chip tecnológicas. Com pesado volume de negociações, o índice Taiwan Weighted subiu 1,1% e terminou aos 7.332,08 pontos, o maior fechamento desde 24 de julho de 2008. Destaque para o setor financeiro: Cathay Financial avançou 3,5% e Fubon Financial disparou 5,4%. Entre as eletrônicas, TSMC ganhou 2,4% e UMC adicionou 2,8%.

 

Na Coreia do Sul, o índice Kospi da Bolsa de Seul atingiu o maior nível de fechamento do ano, apoiado no forte volume de compras por estrangeiros dos contratos futuros e de opções. O índice Kospi subiu 2,3% e atingiu 1.644,68 pontos. O mercado ignorou as declarações do Banco da Coreia (BOK, banco central) sugerindo um possível aumento dos juros no curto prazo. O salto no preço das commodities e a recuperação do Índice Seco do Báltico impulsionaram as ações dos estaleiros e das empresas de transporte marítimo. Hyundai Heavy Industries ganhou 4,6%, Daewoo Shipbuilding & Marine Engineering disparou 12,9% e Hanjin Shipping saltou 8,8%.

 

Na Austrália, o índice S&P/ASX 200 da Bolsa de Sydney atingiu o pico de 11 meses. O índice avançou 1,1% e fechou aos 4.570,8 pontos. O sentimento do mercado local foi prejudicado apenas ligeiramente pela divulgação dos dados sobre o nível de emprego, mais fracos do que o previsto, com o fechamento de 27 mil postos de trabalho em agosto. BHP Billiton ganhou 0,8% e Woodside Petroleum, 2,3%.

 

O índice PSE da Bolsa de Manila, nas Filipinas, encerrou com alta de 0,2%, fechando aos 2.835,91 pontos.

 

A Bolsa de Cingapura terminou em alta, ajudada pelo desempenho positive dos mercados americanos. O índice Straits Times subiu 1% e fechou aos 2.678,23 pontos.

 

O índice composto da Bolsa de Jacarta, na Indonésia, subiu 1,2% e fechou aos 2.411,86 pontos, liderado por compras por parte de investidores estrangeiros de papéis de bancos e relacionados a commodities. Os ganhos nas demais bolsas da Ásia também inspiraram as compras.

 

Na Tailândia, o índice SET da Bolsa de Bangcoc subiu 1,1% e fechou aos 703,09 pontos, fortalecido pelo desempenho firme nos mercados regionais. Ações de energia e teles dominaram os ganhos, mas realizações de lucros impediram maiores altas.

 

O índice composto de cem blue chips da Bolsa de Kuala Lumpur, na Malásia, subiu 0,4% e fechou aos 1.201,28 pontos , liderados por ganhos em ações de mineradoras e construtoras. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
mercado financeirobolsasÁsia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.