Bolsas não mantêm ânimo e caem

Entusiasmo com plano do governo dos EUA à GM e Chrysler diminuiu com perspectivas ruins para a economia

Claudia Violante, Silvana Rocha e Denise Abarca, O Estadao de S.Paulo

20 de dezembro de 2008 | 00h00

O entusiasmo dos investidores com o plano do governo dos EUA de US$ 17,4 bilhões às montadoras General Motors e Chrysler esfriou ontem à tarde, em meio a perspectivas sombrias de uma recuperação econômica no curto prazo. Este sentimento induziu vendas de ações e as bolsas oscilaram entre leves altas e quedas no fim da tarde em Nova York. O Índice Dow Jones recuou 0,30%. A Bovespa seguiu esse movimento, mas também perdeu força com o declínio dos preços do petróleo, o que afetou os papéis da Petrobras. O Ibovespa caiu 1,02%, aos 39.131,23 pontos. Na semana, o índice paulista perdeu 0,61%, mas em dezembro ainda apura ganhos, de 6,93%. No ano, porém, a queda é de 38,75%. O dólar sustentou a valorização no mercado de moedas e em relação ao real, amparado no socorro à indústria automobilística e em uma realização de ganhos recentes do euro. O dólar à vista avançou 0,25%, a R$ 2,365 no balcão.Contudo, na semana, a moeda ficou estável. No mês, apura valorização de 2,20% e, no ano, de 33,24%. Após uma trajetória de declínios, o juro de janeiro de 2010 avançou para 12,37%.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.